O meio-campo Geraldo completou no domingo, contra o Botafogo, 50 jogos com a camisa do Coritiba. A estatística do clube não mostra o essencial: dessas partidas, foi titular apenas três vezes.

Ele nem se importa, abre o sorriso e garante que continua buscando um espaço na equipe titular de Marcelo Oliveira. Claro que Geraldo queria mais, mas é xodó da torcida e já foi campeão da Série B e bicampeão paranaense.

São motivos que o levam até a ser envolvido em especulações sobre negociações com equipes europeias. Coisa que ele deixa para o empresário, enquanto espera para cumprir mais dois anos de contrato.

“Foram três jogos como titular e eu estou aí esperando para jogar mais como titular. Para isso acontecer, tenho que continuar trabalhando e tenho que continuar jogando bem. Minha hora vai chegar e o treinador (Marcelo Oliveira) vai saber me escalar no momento certo, porque os caras que vêm jogando também estão muito bem. Não quero apressar as coisas”, analisa o jogador.

Mas Geraldo não esconde a satisfação de fazer 50 jogos pelo Coxa. “É uma camisa que eu gosto muito, um time que tenho orgulho de estar jogando e que me projetou no futebol brasileiro. Só tenho a agradecer”, diz.

Segundo ele, no momento não há outra coisa a fazer a não ser trabalhar e trabalhar. “A gente, que está jogando de reserva, tem que entrar bem para pegar a confiança do treinador e, quem sabe, ser escalado no futuro”, projeta.

O técnico Marcelo Oliveira, por sua vez, espera uma maior aplicação tática do meio-campo. “O Geraldo é muito bom jogador, um garoto de 19 anos, está melhorando na parte tática e precisa apenas recompor, porque quase sempre o adversário tem um lateral que vem para cima do nosso lateral. Mas é um jogador que eu gosto muito e vai nos ajudar muito”, avalia.

Se vai ajudar é porque ele conta com Geraldo, mas clubes europeus parecem estar de olho. “Vieram três propostas. Valencia, PSG e Sporting Braga mostraram interesse, mas tem que conversar lá no Coritiba”, revela Nadin Andraus, empresário e descobridor do angolano.

No entanto, no Alto da Glória a conversa é outra. “Absolutamente, não veio proposta para ninguém”, rebate Vilson Ribeiro de Andrade, vice-presidente alviverde.

De qualquer forma, Geraldo prefere esperar. “Isso de clube eu procuro não mexer e não estou sabendo de nada ainda. Tenho mais dois anos de contrato e pretendo fazer muita história”, completa.