Pressão amanhã no Alto da Glória? Para o técnico Ivo Wortmann, a bronca da torcida com os dois últimos resultados e até o desejo pela contratação de René Simões será mais um desafio a ser vencido contra o Cianorte. Para ele, clube grande é assim mesmo e o Coritiba não é diferente.

“Isso é um processo normal no futebol. De repente, o René poderia estar saindo do Fluminense e alguém gritando o nome de outro treinador. Essa situação a maioria dos treinadores já passaram, já teve clubes onde não estava lá e gritaram o meu nome. Quer dizer, já vivi as duas situações”, avalia o treinador alviverde.

E o que fazer nessas horas? “Acho que temos que manter a tranquilidade, o equilíbrio e levar isso para o lado do desafio. Tu vai contestar o torcedor? De forma nenhuma, tem que respeitar o torcedor. Agora, eu vou procurar fazer aquilo que venho fazendo, trabalhando, procurando o melhor para o Coritiba e buscando o melhor resultado”, destaca Ivo. Ele garante que não vai se abalar. “Eu vim para fazer um trabalho, estou fazendo e buscando o melhor para o Coritiba”, aponta.

No entanto, além da torcida, Ivo estaria enfrentando resistência dentro do próprio elenco devido a ser duro demais nas cobranças. Procede? “Na vida, tu cresce como pessoa e como profissional quanto é questionado, cobrado. Se eu não me cobrar, se alguém não cobrar, eu não cresço. Eu sou aberto a críticas, tem aquela crítica que ajuda muito e prefiro conviver num espaço tendo o rótulo de exigente do que ser aquela pessoa que não toma nenhuma atitude, que passa a mão por cima do jogador, não cobra, não se preocupa com o desenvolvimento dos jogadores”, diz.

Para ele, o erro é perdoável, mas a desobediência, não. “Sou muito paciente porque erro, já estive lá dentro e errei muito, erro como treinador, mas não gosto quando treino e o jogador não cumpre aquilo que eu peço”, explica. Tratando do assunto, o meia Pedro Ken saiu em defesa de Ivo.

“Da minha parte, não tenho nada contra ele, que está procurando imprimir a filosofia de trabalho dele e a gente está procurando fazer. Entendemos a torcida, é o ano do centenário, ninguém gosta de perder e, daqui para frente, temos que esquecer tudo isso para conquistar esse título que é o mais importante”, finaliza o jogador.