O Coritiba viaja neste sábado (6) para Foz do Iguaçu, onde ficará por duas semanas para dar sequência à sua pré-temporada, visando a largada no Campeonato Paranaense, dia 21, contra o Prudentópolis, no Couto Pereira. Esse confinamento na tríplice fronteira durante as duas semanas não agradou o atacante Kléber. O Gladiador, na verdade, nunca escondeu sua insatisfação diante desse período maior de concentração longe da família.

“Nunca fui a favor e não é de hoje. Se perguntassem muitos anos atrás eu falaria que não sou a favor. Ficar distante assim para ninguém é bom. Você acaba ficando muito isolado”, apontou o atacante coxa-branca, que admitiu que, sobretudo na pré-temporada esse período fora é necessário para os jogadores.

“É necessário. Você ter tempo para se preparar melhor, ter uma alimentação mais regrada. Se desse para fazer tudo isso aqui, com a família mais perto, seria maravilhoso. Mas é sempre assim, a gente já acostumou e vamos nos preparar bem para começar bem o Estadual”, acrescentou Kléber.

No ano passado, antes do clássico contra o Atlético, pelo Campeonato Brasileiro, a diretoria chegou a anunciar um período de reclusão do elenco em Atibaia, no interior de São Paulo, mas decidiu mudar o planejamento. Apesar de alegar problemas de logística com o hotel em que o clube ficaria hospedado por conta do feriado de 7 de setembro, a cúpula do Verdão atendeu ao pedido dos jogadores, que eram contrários à concentração prolongada fora da capital paranaense.

Também neste período de reclusão em Foz do Iguaçu, em janeiro de 2016, os jogadores do Coxa se envolveram em uma confusão dentro de uma casa noturna da cidade. Kléber, inclusive, era um dos jogadores envolvidos, mas a saída dos atletas da concentração aconteceu na folga do elenco e a situação foi contornada pela diretoria na época.