Na luta por um lugar ao sol no Coritiba, o lateral-esquerdo Dênis começa a ganhar espaço no elenco e quer aproveitar a brecha dada por Triguinho -suspenso para a partida contra o Bragantino, terça-feira, na relargada da Série B.

O garoto, que subiu do time sub-20 este ano, avisa que a briga com o titular será saudável e está pronto para vestir a camisa 6 do Alviverde. Inclusive, para ouvir as famosas e tradicionais cornetagens dos torcedores do Coxa com os laterais.

“Dentro de campo, a gente esquece da torcida e faz o nosso papel. As críticas vêm, lógico, mas tendo uma boa atuação elas não são tão válidas, por que a gente sabe que fez o melhor. Se tiver críticas, tenho que ouvir e esquecer e seguir trabalhando forte”, analisa Dênis.

No entanto, o lateral conhece bem o que sofrem os colegas de posição. “Esse negócio de lateral aqui no Coritiba é complicado. Tanto faz o lado direito ou lado esquerdo. Mas não estou preocupado com isso não”, aponta o jogador de 20 anos.

Dênis parece ter aprendido com exemplos recentes e afirma que sabe o que fazer para não sofrer na pele o que sofreram Reginaldo Araújo, Ricardinho e o próprio Triguinho.

“Tem que ter uma boa atuação, marcar, atacar, se tiver brecha de fazer um gol tem que fazer. O atacante cai nas graças da torcida com o gol. Se a gente puder fazer um golzinho ali é sempre bem vindo”, projeta o lateral-esquerdo.

O jogador se define como um lateral que gosta de apoiar, ir ao ataque, mas confessa estar se reeducando e aprendendo a marcar. “Minha característica é mais de apoiar, mas nessa linha de quatro a gente tem que defender, se não a defesa fica muito exposta. Tenho que fazer o que o professor Ney pede para a gente ir ganhando espaço”, pondera.

Por isso, ele garante que está se sentindo bem. “Estou trabalhando forte para quando tiver essas oportunidades, como estou tendo agora, aproveitá-las cada vez mais e ir ganhando espaço no grupo”, destaca.

No Torneio de Florianópolis, Dênis já começou a mostrar serviço para o treinador. “Para mim foi proveitoso. Contra o Avaí me movimentei bem e contra o Vasco também tive uma boa participação. Agora, é dar seguimento para ver se contra o Bragantino abre uma brechinha para poder atuar de novo. Sei que é uma briga difícil com o Triguinho, que é um bom lateral, mas é aquela briga sadia”, finaliza.