O que já sofreram Reginaldo Araújo, Ricardinho, Carlão, Márcio Batatinha e tantos outros agora sofre o ala-direito Márcio Gabriel. Após um começo bom, ele caiu de produção, mas já vem se firmando novamente na equipe e garante estar preparado para enfrentar os “cornetas do fosso” no Alto da Glória, que tanto atazanaram a vida de outros alas e laterais alviverdes.

Amanhã, contra o Holanda, o dono da camisa 13 será titular mais uma vez e garante que de onde vêm as vaias também vêm aplausos e essa força será o suficiente para não ter medo de tentar as jogadas pela ponta-direita e
até os arremates a gol.

“Isso acontece, não só aqui mais em todos os lugares principalmente com quem joga pelos lados, mais perto da torcida. Eles cobram mesmo, mas é normal”, avalia Márcio Gabriel. E o que você mais ouve ali na beira do gramado?

“A gente fica ali pertinho e a torcida xinga, grita “vai’, mas isso é o incentivo da torcida e vale também”, revela. De acordo com ele, em nenhum momento a torcida vai deixá-lo com receio de jogar. “A gente já jogou bastante, não está começando agora, já tem um pouquinho de experiência e, quando a gente acerta uma jogada, a torcida aplaude também e isso é gratificante”, destaca o ala-direito.

Com ou sem pegação no pé durante os jogos, ele garante que está voltando à melhor forma. “Comecei bem, depois dei uma caída e todo mundo sabe disso, mas agora estou readquirindo a melhor forma de novo e espero ficar 100% e me firmar na equipe do Coritiba”, projeta.

E o melhor são as chances dadas pelo técnico Ivo Wortmann para ele jogar como mais gosta. “Sempre joguei assim, no Ipatinga também, e aqui o professor tem dado essa liberdade e espero crescer a cada jogo”, analisa.

E a partida de amanhã contra o Holanda? “A partir do momento em que entrarmos em campo a torcida vai cobrar, a gente sabe da responsabilidade desse jogo, que é difícil, mas podem ter certeza que vamos entrar para fazer o resultado”, diz. E, ele sabe bem o que é enfrentar um equipe considerada pequena contra um grande.

“Já estive do outro lado e jogando contra o time grande os caras querem mostrar para um dia estar aqui e eu usava isso. Procurava fazer o melhor para jogar num time grande e os jogadores deles vão vir com esse objetivo também”, adverte.