O técnico Marquinhos Santos não quer saber de corpo mole no grupo do Coritiba. Apesar de conquistar o 1.º turno do Campeonato Paranaense de forma invicta, e com certa facilidade, o treinador sabe que a competição pode pregar algumas peças – como um eventual excesso de favoritismo, popularmente chamado de “salto alto”. O receio do treinador é que a zona de conforto tire o foco da equipe no returno.

“A principal armadilha que a gente não pode cair é a acomodação, por conta da conquista do 1.º turno. É o que o professor Marquinhos cobra diariamente do grupo, tirando a gente daquela zona de conforto. A gente precisa vencer e tratar os jogos de maneira igual, respeitando todos os adversários e encarando esse favoritismo com naturalidade, por que um time grande como é o Coritiba na maioria das vezes vai ser o favorito, e tem que impor isso dentro de campo”, garante Chico.

A primeira medida que Marquinhos Santos adotou foi alterar o esquema tático do time, que passa a atuar num 4-3-1-2. Outras novidades para a partida de amanhã, às 16h no Couto Pereira, são as presenças do volante Djair, que entra no lugar de Pereira, e do atacante Arthur – o escolhido para a vaga de Rafinha, vetado pelo departamento médico. No treinamento realizado na tarde de ontem, o comandante Alviverde levou a campo Vanderlei; Patric, Leandro Almeida, Chico e Eltinho; William, Djair e Robinho; Alex; Deivid e Arhur.

Marquinhos Santos cobrou posicionamento e posse de bola, impondo à sua equipe uma forte marcação já a partir do campo adversário. “Me agradou esse desenho tático. Acho que é importante nesse momento de returno estarmos atentos e muito motivados. Conquistamos um turno, mas ainda não fomos campeões. Pra isso ainda faltam 11 jogos”, observa.