Em clima de Copa do Mundo, o Coritiba abriu espaço na sua agenda para a apresentação de seu primeiro “gringo” na sua versão 2014. O argentino Martinuccio foi oficialmente apresentado e com status de principal reforço do clube para a sequência do Brasileirão. No reencontro com Celso Roth – eles trabalharam juntos no Cruzeiro, em 2012 – o meia-atacante espera recuperar o bom futebol que lhe valeu o título de segundo melhor jogador da Libertadores 2011, quando levou o Peñarol do Uruguai à final com o Santos de Neymar.

Alejandro Hernán Martinuccio, 26 anos, chega para o seu terceiro clube brasileiro. Argentino de nascimento, garante que hoje seu coração já está dividido. “Tenho dois filhos brasileiros, o Bautista de oito meses, e o Mateo, de dois anos e oito meses”, lembrou o jogador, que viu o nascimentos das crianças no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte. O sucesso na vida familiar, porém, não se refletiu dentro de campo, em especial no Fluminense. “Tive muita dificuldade de adaptação com a linha, com o estilo de vida. E, é claro, isso interferiu no meu desempenho dentro de campo. Mas, é passado, já estou aqui (no Brasil) há três anos”, frisou.

Com propostas de outros clubes brasileiros, da Espanha e da Itália, Martinuccio optou pelo Coritiba. Uma escolha pensada, por saber que aqui terá a condição de voltar a trabalhar com Celso Roth. Foi no Cruzeiro, em 2012, que ele viveu seu melhor momento aqui no Brasil. “Quando você tem o carinho do treinador, fica mais fácil jogar. Tivemos um ótimo relacionamento no Cruzeiro e espero repetir isso aqui no Coritiba. Jogar ao lado do Alex será muito bom”, cravou Martinuccio.

Para aqueles que acreditam que não há espaço para os dois no mesmo time, o próprio argentino dá o recado. “Não há problema algum. O Alex é um meia clássico de criação. Sou um meia-atacante, gosto de jogar pelos lados do campo”, avisou Martinuccio. “Sei que há uma expectativa grande do torcedor e espero estrear o quanto antes”.

Sobre as lesões que o atrapalharam no Cruzeiro, o jogador revelou que teve dificuldades para uma recuperação. “As coisas não estavam evoluindo. Procurei um tratamento particular. Mas, me coloquei à disposição do Anderson Barros e fiz toda a bateria de exames necessária. Estou recuperado e trabalhando fisicamente. Quando o Celso me quiser no campo, estarei pronto”.

Já tendo até participado de churrasco com os novos companheiros para acompanhar a Copa do Mundo – especificamente no jogo Brasil x Chile, pelas oitavas – Martinuccio não esconde que sua torcida é pelo país natal. “Sou argentino e torço para a seleção do meu país. Mas, gostaria muito de ver uma final entra Brasil e Argentina. São as seleções que possuem os dois melhores jogadores do mundo e seria muito bom”, comentou. “Sei que o Brasil tem cinco títulos e a Argentina apenas dois. Mas, uma conquista da Argentina, aqui no Brasil, teria o peso de uns vinte mundiais”, arrematou o novo reforço coxa-branca.