O elenco do Coritiba decidiu lavar a roupa suja. Ontem à tarde, no CT da Graciosa, por mais de uma hora os jogadores do Coxa ficaram trancados deliberadamente no vestiário para aparar arestas. Enquanto eles soltavam o verbo, toda a comissão técnica aguardou pacientemente no campo. A conversa foi uma iniciativa do próprio grupo, desencadeada pela pressão por resultados, pelo futebol abaixo da crítica no returno do Estadual e pelas contundentes cobranças sobre o trabalho do técnico Marquinhos Santos.

O zagueiro Pereira e o meio-campista Alex lideraram a reunião. “É muito importante (uma conversa nesse momento) porque o treinador tem o controle até certo ponto. O restante passa por nós. Então, ficamos entre nós para ver se algum jogador, de repente, esteja com algum problema que prejudique seu melhor jogo ou se existe algum problema pessoal. Ficamos entre nós, por que existem coisas que nós temos que nos responsabilizar, e também tirar o peso do treinador. A reunião girou em torno disso”, apontou Alex, definindo o encontro como um divisor de águas.

Na reunião foram expostos erros e acertos, e feitas cobranças, inclusive de maneira individual. Tudo para tirar o peso dos ombros do treinador. Passadas sete rodadas do returno, o Coritiba é apenas o 5º colocado, e numa campanha irregular somou até aqui três vitórias, três empates e uma derrota – condição muito diferente da apresentada ao longo do 1.º turno, e que rendeu ao time a presença antecipada nas finais do campeonato. Líder do grupo, Alex destaca que a aceitação do grupo foi positiva, mas não quer que a conversa fique por aí. “A aceitação do grupo é boa, mas só falar não resolve. O principal é dentro de campo. Trabalhar e praticar da melhor maneira possível pra que esse encaixe que nós estamos procurando aconteça”, afirmou.

O volante Gil também garantiu que a conversa foi produtiva para o time entrar nos eixos daqui pra frente. “O Alex é um cara sábio, nosso líder, e eu creio que a gente só tem a ganhar a partir dessa conversa que tivemos hoje. Ele procurou passar bastante tranquilidade pra gente, mas sabemos que cada um tem sua responsabilidade e parcela de contribuição”, disse.