Apesar de ter se mantido entre as três equipes melhores colocadas no Campeonato Brasileiro, a acentuada queda de rendimento nos recentes confrontos ligou o sinal de alerta no Coritiba. As fatídicas partidas que realizou em casa, onde foi derrotado pelo Vasco e não passou de um empate contra a Portuguesa, comprometeram ainda o planejamento da equipe – fato que fez com que o discurso dos jogadores, quando o papo são as minimetas, mudasse.

“A gente não tem feito contas, onde vamos fazer três pontos, ou poderíamos perder. Nosso segredo tem sido fazer de cada jogo uma decisão, encarando cada jogo como se fosse o último. Mas muitas vezes as coisas não vão acontecer como esperamos. O exemplo que a gente sempre usa é de ter perdido pro Cruzeiro, e em seguida ter ido jogar com o Grêmio. Todo mundo dizia que a gente ia perder mais uma e conquistamos os três pontos. Em casa ninguém achava que perderíamos para o Vasco e acabamos perdendo. Então não tem como fazer uma previsão. Temos que colocar na cabeça que precisamos voltar a vencer”, ponderou o lateral-direito Victor Ferraz, após o grupo realizar atividades regenerativas, ontem à tarde no CT da Graciosa.

A postura de suprimir o planejamento das minimetas, divididas em blocos de cinco jogos, é explicada pelos dois últimos tropeços em casa. Qualquer resultado que não fosse vitória sobre Vasco, domingo passado, e Portuguesa, na quarta-feira, sequer passava pela cabeça do elenco alviverde. Apesar do tradicional equilíbrio apresentado ao longo da competição, por estar na condição de mandante eram partidas que, em tese, o time somaria seis pontos. Mais que desperdiçar cinco pontos atuando no Couto Pereira, o Alviverde não aproveitou duas chances de reassumir a ponta do Brasileiro.

Com os resultados, dos nove pontos projetados para o atual bloco de cinco jogos (Cruzeiro, Grêmio, Vasco, Portuguesa e Corinthians) a equipe somou apenas três, restando outros três a serem disputados domingo, fora de casa contra a equipe paulista. O lateral Victor Ferraz prefere analisar toda a trajetória ao invés de apenas os dois últimos tropeços. “Não era nosso objetivo. A gente queria ter vencido os dois jogos que tivemos dentro de casa, mas não foi o que aconteceu. O sinal de alerta sempre tá ligado. Não dá pra colocar que de seis pontos somamos um, dá pra colocar que de 14 rodadas conquistamos 24 pontos. A gente tem que pensar dessa forma, sem nos colocarmos pra baixo”, finalizou.