O Coritiba abre a temporada 2015 com um novo perfil, já sem a mesma base de anos anteriores. Um cenário que se reflete também na camisa 1. Com a transferência de Vanderlei para o Santos, recai sobre Vaná as atenções da exigente torcida coxa-branca. Aos 23 anos, ele terá a missão de dar sequência ao retrospecto recente do clube, pouco afeito a mudanças drásticas na sua meta. Nos últimos treze anos, apenas três goleiros carregaram o status de titulares absolutos da equipe coxa-branca.

Não ao acaso, Fernando Prass, Édson Bastos e Vanderlei atingiram marcas históricas na meta alviverde. O trio conseguiu, para muitos, uma aproximação de verdadeiras lendas do Alto da Glória, como Joel Mendes, Célio, Jairo e Rafael. Se nos anos 90 o Coritiba conviveu com constantes trocas de goleiros, o mesmo não se repetiu de 2002 para cá. Uma mudança de diretriz que coincide com a chegada de Fernando Prass ao Couto Pereira.

Ele foi contratado pelo Coritiba no início de 2002. À época, era apenas chamado de Fernando e com ele no time o Verdão faturou os títulos estaduais de 2003 e 2004 e, no Brasileiro, foi um dos destaques na campanha de 2003, quando o Coritiba ficou na 5ª colocação. Após a sua saída para o futebol português, após o estadual de 2005, o Coxa viveu um hiato de um ano e meio, que só seria superado com a chegada da dupla Édson Bastos e Vanderlei, para o Brasileiro de 2007.

Nessa “entressafra”, o Coritiba utilizou Douglas – que era reserva imediato de Prass -, mas o rebaixamento de 2005 abreviou a passagem do goleiro pelo Alto da Glória. Na sequência, Artur e Kléber foram contratados, mas eles alternaram bons e maus momentos, o que resultou em nova guinada em 2007. Édson Bastos chegou para ser titular do time, mas além dele o clube trouxe também Vanderlei, revelação do Paranavaí, campeão paranaense daquele ano.

Bastos foi titular absoluto nos dois primeiros anos, período no qual o Coritiba faturou o título da Série B em 2007 e o Paranaense de 2008. No ano seguinte, Vanderlei assumiu a vaga e os anos seguintes foram marcados por um constante revezamento entre os goleiros. Um quadro que se manteve até 2012, quando Vanderlei assumiu de vez o posto e Édson Bastos acabou liberado para a Ponte Preta. Nesse retrospecto recente, Fernando Prass e Édson Bastos superaram a marca dos 200 jogos com a camisa coxa. Já Vanderlei entrou no rol dos recordistas do clube, superando os 300 jogos pelo clube.

A partir de sábado, quando o Coritiba entra em campo no Erick Georg, em Rolândia, Vanailson de Souza Alves – ou simplesmente Vaná – tentará escrever a sua história no clube. Uma trajetória que já teve início em 2013, onde ele foi escalado num jogo decisivo. Na última rodada do Brasileiro, o Coritiba precisava da vitória sobre o São Paulo para escapar do rebaixamento. Devido ao falecimento da mãe de Vanderlei, coube a Vaná assumir o posto e com o goleiro em campo o Verdão venceu por 1×0 e se livrou da degola.