Filas para entrar, cartão recusado na catraca, mau atendimento e até o destino do dinheiro do programa Eternamente Coxa estão sendo questionados por Luís Fernando Corrêa, o Papagaio, presidente da Império Alviverde.

Ontem, ele divulgou uma carta que protocolou na secretaria do Coritiba cobrando explicações do presidente Jair Cirino dos Santos. A questão veio à tona após a partida contra o Rio Branco, mas a reclamação tem sido constante em outros jogos. A diretoria, por sua vez, garante que os problemas são pontuais e está disposta a conversar com os torcedores.

“Teve um movimento grande na partida contra o Rio Branco e escrevi a carta para que isso não se repita. Muitos sócios em dia foram barrados nas catracas”, justificou Papagaio.

Segundo ele, a oficialização da reclamação foi uma medida para que a diretoria responda com rapidez. “Quando fica muito informal, a reclamação demora a ser respondida”, destacou.

Para ele, o torcedor paga antecipado para ter facilidades. “Não admito que se faça uma carteira de sócio para facilitar a entrada e fique esperando uma hora na fila”, apontou.

Além da questão do serviço em si, Papagaio também questiona o programa administrado por uma empresa terceirizada. “Eu sou sócio antigo, tenho direito a voto, pago R$ 31 por mês e esse dinheiro vai todo para o clube e sempre fui muito bem atendido. O clube não tem condição de administrar esse plano e evitar que se pague comissão a essa empresa terceirizada?”, questiona o presidente da Império.

Por isso, além da resposta do clube, Papagaio quer uma comissão de sócios para tratar com a direção. “Queremos uma parceria com o clube para resolver problemas como esse dos ingressos”, avisa.

Já o presidente alviverde garante que o clube está aberto ao diálogo. “Sempre estamos reunidos com chefes de torcida e não vejo razão para essas reuniões não acontecerem. Esses encontros nunca deixaram de acontecer”, garante Cirino.

Segundo ele, os problemas com filas para os sócios não são de hoje. “Esse problema não é exclusividade do Coritiba, acontece a desmagnetização e não funciona e o sócio tem que procurar o plano”, explica. E a questão da terceirização do Eternamente Coxa? “O plano de sócios foi votado e aprovado no conselho deliberativo”, finaliza o dirigente.