Dar mais conforto aos torcedores do Coritiba nos jogos do Alviverde é uma das metas do novo presidente coxa-branca, Vilson Ribeiro de Andrade, que assumiu o comando do clube oficialmente na semana passada. Mas para isso, o dirigente tem três opções: construir um novo estádio em outro local ou no próprio Alto da Glória, ou apenas reformar o Couto Pereira.

Ribeiro admite que se o clube resolver construir um estádio mais moderno em outro local, a área onde está o Couto Pereira poderá servir como moeda de troca para o empreendimento. “Não temos nenhuma definição ainda. Uma das opções é fazer um novo estádio se houver uma área disponível. Neste caso, usaríamos o Couto Pereira como moeda de troca”, revelou. “A área onde está o Couto Pereira tem um valor imensurável. Porém, estamos estudando todas as possibilidades, inclusive de construir o novo estádio no próprio Alto da Glória”, emendou.

A política de ceder o estádio para dar lugar a empreendimentos imobiliários foi adotada recentemente pelo Grêmio, que repassou a área do estádio Olímpico, em Porto Alegre, para a construtora OAS, que lhe dará em troca um novo estádio. Cogitou, em setembro deste ano, que a mesma empresa poderia também ser a parceira do Coxa para a construção de um novo estádio alviverde na área onde atualmente encontra-se o desativado Pinheirão, mas as negociações não evoluíram.

Por outro lado, construção de um estádio no local onde está o Couto Pereira também se tornaria inviável, pois o clube teria que arcar com todas as despesas e ir contra a outro objetivo da diretoria recém-empossada: findar com as dívidas do clube, que hoje são de R$ 80 milhões. Por isso, Vilson Ribeiro de Andrade aposta que este é um projeto para ser cumprido ao longo do seu mandato de três anos. “Isso é para o futuro. Pode ser daqui um, dois ou até três anos. No Coritiba, é feito um esforço enorme nosso e da nossa torcida para conseguir as coisas. O Couto Pereira é um estádio antigo e vamos discutir para ver o que é o melhor para a realidade do clube”, disse.

De qualquer forma, o Coritiba aposta na boa campanha dentro de campo para atrair investidores que queiram ajudá-lo a empreender no estádio. O presidente alviverde afirmou que foi procurado por futuros apoiadores interessados em ajudar o clube neste processo. “Fomos procurados por investidores que querem nos ajudar a terminar o setor da Mauá. Isso foi uma surpresa para mim, mas aconteceu pela boa campanha que tivemos. Porém, reformar o Couto Pereira não seria só isso e precisaríamos ter receita financeira. Hoje o Coritiba não tem”, finalizou Vilson Ribeiro.