Ele não esconde a timidez, mas também não foge da oportunidade quando ela aparece. Na primeira coletiva de imprensa que participou pelo Coritiba, Raphael Veiga, o substituto do meia Juan na vitória contra o Santa Cruz na última rodada, titubeou bem mais na frente da imprensa do que contra os jogadores do time adversário. “Vou tentar lembrar das perguntas”, disse confuso ao ser questionado sobre diversos assuntos por uma repórter. Depois admitiu: ficou mais nervoso na coletiva do que quando estreou como titular no Coxa no último sábado (23). “Eu fico nervoso no começo, mas depois consigo me controlar”, explicou.

Sobre a partida, o meia disse que procurou o apoio dos colegas mais experientes antes pisar no gramado do Arruda. “Não digo nervoso, eu estava ansioso por ser meu primeiro jogo, pela situação que a gente estava passando no campeonato, então eu sabia da responsabilidade, eu sabia que tinha que assumir um papel dentro da equipe muito importante”, comentou. Mas a ansiedade não parece ter atrapalhado o desempenho do jogador, que não sentiu o peso da camisa e foi elogiado pelo treinador Pachequinho ao término da partida.

O garoto de 21 anos também gostou do que fez. “Eu acredito que eu fiz um bom jogo. Lógico que alguns detalhes precisam ser acertados, mas eu acho que eu fui bem e estou confiante para o resto do campeonato”, disse. Porém, Raphael Veiga sabe que não pode se deslumbrar. “Eu fico tranquilo, eu não fico ansioso, eu tenho que me concentrar em treinar e quem decide isso é o Pacheco. Se eu tiver a oportunidade vou aproveitar”, complementou. Veiga novamente deve ser o titular da equipe na partida contra o Flamengo, no domingo (31), já que Juan só volta da punição no sábado (30) e está há dez dias sem treinar.

Há seis meses no profissional do Coritiba, o meia – que tem 1.76m – tentou ser goleiro no começo da carreira. “Fui fazer um teste no Corinthians como goleiro”, disse. Obviamente que não passou, mas duas semanas depois retornou e fez outro teste, agora como jogador de linha. Passou e ficou dois anos no clube até ser demitido. Depois a falta de dinheiro quase fez com que ele desistisse do futebol.  
“Passei no São Paulo, mas era muito longe de casa e eu não tinha dinheiro para ir treinar sempre lá, então optei  por parar”, explicou o garoto. Ficou afastado por um tempo e foi descoberto por um olheiro do Audax quando jogava futebol na praia. Após uma boa atuação no Campeonato Paulista, Veiga foi  contratado para jogar na base do Coxa em 2013.