A derrota por 2 a 1 sofrida para o Cruzeiro, líder do Campeonato Brasileiro, na noite da última quarta-feira (24), no Couto Pereira, ficou marcada por mais reclamações contra a arbitragem e o fim de invencibilidade do técnico Marquinhos Santos no Alto da Glória.

O revés foi o primeiro do treinador no retorno ao Coxa dentro de casa. Em três partidas, o comandante do Verdão havia faturado duas vitórias e um empate no Couto.

O duelo também serve para que Marquinhos Santos entre no rol dos treinadores que mais comandaram o Coritiba. Já são 79 jogos, mesmo número de Ênio Andrade. Félix Magno lidera a lista com 201 confrontos.

Arbitragem polêmica

O árbitro Vinícius Furlan foi um dos protagonistas da partida entre Coritiba e Cruzeiro, no Couto Pereira.

Logo no início do duelo, o paulista assinalou uma penalidade do volante Germano em cima de Nilton, da Raposa.

O jogador coxa-branca aplicou um verdadeiro golpe de judô em seu adversário. Porém, nos minutos finais, o árbitro não utilizou o mesmo critério, quando o atacante Zé Love foi agarrado na área do Cruzeiro.

“Só lamento em relação à falta de critério do árbitro”, disse o técnico Marquinhos Santos ao final do jogo.

Felipe Rosa
Jogadores do Coxa reclamam com a arbitragem.

Desfalques

Para a partida contra o Internacional, domingo (28), às 18h30, no Beira-Rio, em Porto Alegre, o técnico do Coxa não conta com o volante Germano e o lateral-esquerdo Carlinhos, suspensos.

O volante Rosinei será melhor avaliado para saber se terá condições, já que sofreu uma pancada na cabeça frente à Raposa.

Por outro lado, o Coritiba terá o retorno do meia Robinho e do atacante Élber.

Décimo oitavo colocado, o Coxa pode ainda cair uma posição ao final da rodada nesta quinta-feira. Para isso acontecer, basta um empate do Palmeiras com o Vitória em jogo que acontece em São Paulo.  

Paraná Online no Google Plus

Paraná Online no Facebook