O novo estádio do Coritiba está gerando uma polêmica dentro do próprio clube. Se antes a ideia era ter uma casa completamente nova, nos últimos dias uma simples reforma no Couto Pereira ganhou força. Algo que desagradou o vice-presidente do Coxa, Alceni Guerra, que é o maior entusiasta no projeto de demolição do Alto da Glória. Para ele, a mera reforma da praça esportiva serviria para “eternizarmos o atraso (do Cortiba) em relação ao Atlético”.

Atualmente, o Alviverde está dividido em duas correntes. A primeira, liderada por Guerra, quer a construção de uma nova casa com capacidade para 40 mil pessoas, teto retrátil e financiada por investimento de terceiros, inclusive buscando capital estrangeiro.

A segunda – e, neste momento,com mais força– defende a reforma do Couto, utilizando dinheiro do próprio clube, sem teto retrátil, numa versão “econômica”. Ela é defendida pela maior parte do Conselho Deliberativo e pela Comissão de Patrimônio.

“Estimam que a reforma poderia ficar pronta dentro de dez anos, sem o teto retrátil. Quando isto estiver pronto, nós vamos eternizar nosso atraso em relação ao Atlético, que já tem um estádio com teto e um dos maiores do Brasil”, argumentou Guerra.

“Já expus este ponto de vista a todos os conselheiros. Além disso, se tirarmos do nosso orçamento o dinheiro da reforma, corremos o risco de não irmos bem em um campeonato e cairmos para a Série B daqui a alguns anos, perdendo nossa maior fonte de renda, que é a televisão”, reforçou ele.

Por fim, Guerra reivindica uma campanha de esclarecimentos por parte do clube, com cada ala apresentando e defendendo seus projetos em relação ao futuro do Couto Pereira. “Dentro do atual Conselho, reconheço que hoje sou minoria. Mas como coxa-branca vou lutar pela ideia do estádio novo”, disse o cartola.

Confira a tabela completa do Brasileirão!

“São duas correntes (reforma e demolição), mas sem atrito. Tenho a convicção de que um estádio novo nos coloca no patamar dos melhores clubes do mundo. Não teremos que tirar dinheiro do futebol e será algo melhor do que o Atlético fez”, encerrou.

Ippuc

A ala coxa-branca que defende a reforma do Couto Pereira batalha junto à prefeitura de Curitiba para alterar o atual texto da nova Lei de Zoneamento da cidade, que será votado em breve.

A principal reivindicação é poder construir, em anexo ao estádio, um prédio que ajudaria o Coritiba a financiar as obras no Couto. Inicialmente, a administração municipal rejeitou este pedido.

Segundo Guerra, entretanto, o clube já assegurou junto ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (Ippuc) as condições necessárias na nova Lei de Zoneamento para a obra de um estádio completamente novo.

“É?um projeto apresentei em 26 de outubro do ano passado, foi aprovado em maio deste ano e já está andando na prefeitura, é a nossa licença para construir um estádio para 40 mil pessoas”, conta o dirigente. “Nós não pedimos prédio. E o pessoal que quer a reforma pediu o prédio, é algo que o prefeito está analisando”, completa.