Como já é costumeiro em momentos de dificuldade do Coritiba em campo, o assunto “novo Couto Pereira” foi assunto durante esta semana. Só que a expectativa da diretoria de anunciar passos importantes – e talvez minimizar a conversa sobre futebol – foi frustrada pelas notícias que vieram da prefeitura de Curitiba.

Inicialmente, o relato sobre o encontro do presidente Rogério Portugal Bacellar e o vice Alceni Guerra com o prefeito Rafael Greca, que aconteceu na semana passada, seria o grande assunto. Na conversa, foi tratado do novo estádio, inclusive sendo apresentados projetos feitos pelo arquiteto Frederico Carstens.

Apesar da conversa positiva (tirando a cobrança pública de Greca sobre o mau momento do Coxa no Campeonato Brasileiro), os pedidos do clube junto ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) não foram bem-sucedidos. A intenção alviverde era a adaptação de trechos da nova Lei de Zoneamento para os entornos dos estádios de futebol.

Com estas alterações solicitadas pelo Coritiba, seria possível minimamente fazer uma ampla reforma no Alto da Glória – que é uma das possibilidades estudadas pela diretoria. A mais forte, no entanto, é a construção de um novo estádio partindo do zero. Os principais defensores desta ideia são o vice Alceni Guerra e o “multidiretor” Juliano Belletti, que inclusive são os que mais falam sobre estádio no Coxa.

Mas Guerra e Belletti não estão conseguindo apoio dentro do Conselho Deliberativo – em parte pela rejeição aos gastos, que são muito maiores numa demolição e depois reconstrução, e em parte pela rejeição dos cartolas dentro do “conselhão alviverde”.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro!

Agora, com as negativas do Ippuc às sugestões do Coritiba para a Lei de Zoneamento, o clube temporariamente interrompe os planos. Claro que internamente seguirão os estudos, e principalmente o lobby, se preciso até diretamente com o prefeito, para que os pedidos do Coxa sejam reavaliados.