A carta aberta assinada pelo elenco do Coritiba no fim do mês passado, em tom de repúdio pelo atraso no pagamento dos direitos de imagem de alguns jogadores, ainda aquece os bastidores no Alto da Glória. Desde a noite do último domingo circula nas redes sociais o suposto conteúdo do documento, endereçado ao presidente Vilson Ribeiro de Andrade e que, além das pendências financeiras coloca em descrédito a atual gestão.

Alvo direto das duras críticas, Vilson Ribeiro de Andrade não reconhece a carta e acusa que o vazamento do conteúdo teve motivação política. ‘As únicas cartas que eu leio são da minha mulher, quando ela me escreve. Desconheço totalmente essa carta, ela pra mim não existe. Desconheço o conteúdo, por que ela não chegou até mim. A única coisa que posso dizer é que esse vazamento teve cunho político. (Quem divulgou o conteúdo) é um blogueiro, inimigo número um não apenas dessa gestão, mas de todas as gestões do Coritiba’, disparou Vilson. ‘O problema é que o Coritiba é uma entidade democrática e esse é o preço que pagamos por essa abertura. Pessoas se aproveitam de situações com iniciativa política’, completou.

Na noite do último domingo, após a derrota do Coritiba para o Londrina por 2×0, o torcedor Luiz Carlos Betenheuser Júnior, responsável por um blog no portal Globo Esporte, publicou na íntegra o manifesto assinado pelo elenco alviverde e que tece pesadas críticas à maneira como o clube é conduzido. ‘É pelos inúmeros compromissos vazios e não cumpridos e pela sua insistente falta de palavra que nós atletas nos sentimos obrigados a utilizar esta carta para expor a nossa insatisfação com você, presidente’, explica um dos trechos da carta – que classifica como ‘irresponsável’ a gestão de Vilson. ‘Tememos pelas consequências e pelo legado que essa sua administração centralizadora e irresponsável deixará para o futuro deste clube que tanto amamos e admiramos. (…) Você, Vilson Ribeiro, passará. O Coritiba, não’, conclui a carta.

Apesar de negar ter recebido o documento, enviado via e-mail, o presidente garante que as pendências financeiras referentes ao direito de imagem foram quitadas ou ao menos apalavradas, conforme a reportagem apurou. O dirigente rechaça a figura centralizadora descrita na carta, assim como a hipótese de que os jogadores do Coritiba não possuem trânsito livre com a alta cúpula alviverde. ‘É uma situação que já foi resolvida e sempre tivemos uma relação aberta com o elenco do Coritiba. Atletas e comissão técnica têm liberdade total com o comando de futebol, não somos uma ilha’, afirmou à Tribuna.

Dentro do elenco, os jogadores reconhecem que encaminharam à diretoria uma carta cobrando que a questão dos direitos de imagem, presente nos bastidores do clube desde 2012, fosse solucionada, mas não foi confirmado o conteúdo da mesma.

Alvo de críticas por expor a carta, o blogueiro Luiz Carlos Betenheuser contesta a tese do presidente de que teve motivação política na publicação. ‘Respeito a opinião do presidente, mas não concordo. A carta tem sim um tom forte e o assunto foi tratado internamente antes da divulgação, através da ouvidoria do clube. Mas não sou candidato. Sou sócio adimplente desde 1996 e o direito estatutário do clube deve ser respeitado. Não sou candidato nem ao conselho e nem à diretoria, meu nome não estará na lista em dezembro. E isso o tempo dirá’, disse.