Infectado com o Coronavírus, o técnico René Simões viveu os últimos dias isolado, em “cativeiro” no próprio quarto. Segundo contou o técnico em contato telefônico com a reportagem do UOL Esporte, o comandante de 67 anos de idade escolheu ficar sozinho antes mesmo de saber o resultado do seu teste para proteger a esposa e a filha, que moram com ele. A libertação será neste domingo (29) e, enquanto isso, o treinador aconselha amigos mais velhos sobre os riscos da covid-19.

“Desde o dia 16, eu tive muita dor de cabeça, garganta começou a inflamar e eu tive uma pequena febre, 37,4°. Resolvi dar um pulo no hospital. Sei que não é para ir logo ao hospital, mas eu sou do grupo de risco. O médico fez o teste, mas o resultado demora cinco dias para sair. Voltei para casa e fiquei em quarentena. Fiquei isolado, em ‘cativeiro’ no meu quarto, avisei a minha mulher: ‘agora, você e minha filha ficam do lado de fora e não entrem mais no quarto'”, contou Renê.

+ Coritiba faz corrente pra doação de sangue e desafia Internacional nas redes sociais

Atualmente sem clube, René contou que o maior desafio desse isolamento foi encontrar um equilíbrio mental. Para isso, o técnico decidiu criar uma rotina a seguir dentro do próprio quarto: arrumar a cama, conversar com amigos via aplicativos ou telefonemas e praticar sudoku, um jogo de lógica. A alimentação era entregue pela esposa, mas o carioca abria a porta apenas quando ela estava longe.

“Tem que arrumar um equilíbrio mental muito forte. E só 12 dias depois eu recebi o resultado, foi positivo. Os médicos me ligavam sempre no hospital e eu falei que estava ótimo. Eu fiquei no cativeiro aqui. O segredo foi o dia seguinte ao hospital, quando eu acordei eu pensei: ‘vou ficar na cama, mas tenho que levantar, não vai resolver ficar todo esse tempo na cama’. Eu criei uma rotina de arrumar minha cama sempre. Todo o dia eu organizei tudo para a minha mente ficar arrumada também”, explicou René.

“Bati na porta avisando que acordei e minha mulher trazia o meu café, avisando com toques na porta também. Ia para o Whatsapp conversar com amigos, joguei sudoku e resolvi assistir todos os canais possíveis para montar meu próprio pensamento em relação a essa crise”, acrescentou o técnico, que também atua como comentarista convidado do Fox Sports.

René está isolado desde o dia 16 de março e agora está prestes a retornar ao dia a dia, ao lado da família. Apesar disso, o treinador exaltou a importância de se manter em casa, fora de seu quarto, mas em sua própria residência. Mesmo agora imune, ele ainda pode transmitir o vírus a outras pessoas.

“O meu sequestrador, que é o Coronavírus, estabeleceu um regaste de 14 dias. Amanhã vence e vou poder ficar ao lado da minha família. Mas mesmo assim tenho que continuar sendo responsável, porque mesmo que não pegue mais a doença, eu posso ser um transmissor. Eu acabei não sentindo os sintomas graves, mas o que vivemos é grave”, declarou.

Com mais de 40 anos de carreira no futebol, Renê Simões tem passagens por quase todos os grandes clubes do futebol brasileiro. O ex-treinador também comandou a Seleção Brasileira feminina, com a qual conquistou a prata em Atenas 2004. O último trabalho como técnico foi em 2017, pelo Macaé. Atualmente participa do reality show, “Uma Vida um sonho”, apresentado por Glenda Koslowski, no SBT.

No Coritiba , René Simões foi o técnico do acesso na Série B em 2007, o que gerou inclusive um livro escrito por ele intitulado “Do Caos ao Topo: Uma Odisseia Coxa-Branca”. Ele treinou o clube em 2009 também.

+ Mais do Coxa:

+ “Fiquem em casa”, é o apelo de ex-jogadores do Coritiba
+ Clubes saem de férias e CBF prevê volta aos treinos em 21 de abril
+ Vestibular do Coritiba: quem foi aprovado e quem reprovou