Um dos “piás do Couto” com mais participações no time titular em 2018, o zagueiro Thalisson Kelven espera que em 2019 possa realmente mostrar a que veio. O jogador de 20 anos, que com 14 chegou ao Coritiba, acredita que ainda tem muito a crescer dentro do Alviverde e quer tirar qualquer rótulo de “promessa” para tornar-se absoluto no time. Com altos e baixos na atual temporada, o jogador teve a oportunidade de pela primeira vez fazer parte do grupo profissional e lembra o destaque que teve na conquista do time na Taça Dionísio Filho, o primeiro turno do Campeonato Paranaense.

Apesar de ter feito três jogos com o time principal em 2017, foi em 2018 que Thalisson Kelven foi de fato incorporado ao elenco. Por isso, o atleta considera que esta foi sua temporada de estreia no profissional. Com 37 jogos e três gols marcados em seu primeiro ciclo no grupo principal, o defensor foi um dos atletas que mais esteve em campo com a camisa alviverde. O jovem só perdeu para o goleiro Wilson, com 51 jogos, para o atacante Guilherme Parede, com 47, e para o volante Vitor Carvalho, com 38.

+ Leia mais: Argel Fucks quer erro zero no Coritiba na disputa da Copa do Brasil

O zagueiro, que fez seu primeiro gol como profissional no jogo diante do Toledo, no dia 14 de fevereiro, pelo Campeonato Paranaense, vê como produtiva sua temporada.

“Avalio meu 2018 de uma forma muito positiva. Foi meu primeiro ano como profissional e fui um dos jogadores de linha que mais atuou. Fiz um Estadual muito bom e regular”, falou à Tribuna do Paraná, lamentando a falta de oportunidade que teve no final do Brasileirão.

Foto: Albari Rosa.
Foto: Albari Rosa.

“Na Série B tive muito aprendizado e experiência, mas infelizmente no final da temporada eu perdi espaço”, disse o atleta, que foi deixado de lado pelo técnico Argel Fuck, que optou por utilizar Alan Costa e Rafael Lima.

Thalisson somou, neste ano, 10 partidas pelo Paranaense, 4 pela Copa do Brasil e 23 pela Segundona.

Ainda que não tenha fechado o ano na titularidade, Thalisson prefere destacar os momentos bons no time, para assim construir seu futuro dentro do Alto da Glória. O jogador, que no rebaixamento do Coritiba à Série B, em 2017, diante da Chapecoense, estava em campo naquela traumática partida, lembrou do gol que fez no dia 25 de fevereiro deste ano, contra o Rio Branco, na final do primeiro turno. Na ocasião, o Coxa venceu por 3×0 e se consagrou campeão da metade inicial da competição.

+ Vai e vem: Confira TODAS as notícias sobre o mercado da bola!

“Foi marcante para mim eu ter acabado de sair de um rebaixamento e logo em seguida virar titular no time e fazer um gol na final da Taça Dionísio Filho. Além disso, posteriormente, meu nome esteve na seleção do Campeonato Paranaense da Tribuna do Paraná”, destacou.

Para o ano que se aproxima, Thalisson quer gravar de vez seu nome na história do Verdão.

“Em 2019 eu espero afirmação, deixar de ser um ‘piá’, uma aposta e ser uma realidade. Espero jogar o maior números de jogos possíveis e atuar com uma maior excelência”, arrematou o zagueiro.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!