Pouco mais de um mês depois de amargar o vice-campeonato do primeiro turno do Campeonato Paranaense, o Coritiba bateu na trave novamente e ficou com a segunda posição da Taça Dirceu Krüger ao perder nos pênaltis para o Athletico, na noite de quarta-feira (10), na Arena da Baixada.

O time coxa-branca, depois de sair na frente e tomar o empate aos 44 do segundo tempo, deixou o Atletiba com um gosto amargo, sobretudo pelas chances desperdiçadas na etapa final. Oportunidades que foram lamentadas pelo técnico Umberto Louzer que, apesar do revés, gostou da atuação da equipe.

+ Leia também: Torcidas apoiam Athletico e Coxa e dão um toque a mais no clássico

“É difícil falar após uma eliminação. No segundo tempo o time teve a possibilidade de ampliar o marcador, mas pecamos na finalização e permitimos que o adversário empatasse. Mas gostei, sim, do time, estamos em evolução, mas o que eu vier falar agora não será suficiente para convencer o nosso torcedor que veio, nos apoiou e jogou junto do início ao fim. Fomos penalizados com um gol no final. Tivemos a possibilidade de ampliar e sairmos de campo com a classificação”, disse o treinador.

Talvez a grande falha do comandante coxa-branca tenha sido a escolha pelo meia Kady para substituir Giovanni no clássico. O jogador passou o segundo turno sem entrar em campo, sentiu a falta de ritmo de jogo e o peso da decisão. Louzer, no entanto, tentou explicar a entrada do armador que, apagado, foi substituído no começo do segundo tempo.

+ Mais na Tribuna: De fora da final, Coritiba quer aproveitar aprendizado pra Série B

“Ele consegue jogar entre as linhas e compor o sistema defensivo, e tem característica de enfrentamento, de finalização de fora da área. Queríamos esse jogo entre as linhas, por isso escolhemos o Kady. No momento que o jogo pediu, colocamos o Welinton, um atleta agudo, começamos a ter espaços e explorar as costas do adversário”, disse o técnico, que prefere esquecer o que passou e focar na Série B, que começa para o Verdão dia 29, diante da Ponte Preta, no Couto Pereira.

“Precisamos atacar esse fator emocional dos atletas para aproveitar esses dias de preparação para a competição. Não adianta mais olhar para trás, temos que olhar para a frente e contar com o apoio de todos que querem um Coritiba forte, para começar bem a competição e já buscar os três pontos contra a Ponte Preta”, concluiu Louzer.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!