Passadas mais de três décadas, a Vila Capanema voltará a ser palco de um Atletiba. Ao todo, entre 1947 e 1977, o clássico foi realizado 16 vezes no Durival Britto. Sete dessas partidas foram válidas pelo Campeonato Paranaense, oito por torneios distintos promovidos pela Federação Paranaense de Futebol e uma foi amistosa. Apesar de nos primeiros jogos na Vila o Furacão ter levado certa vantagem sobre o rival, o Coritiba reverteu o quadro e soma oito vitórias, contra cinco atleticanas e três empates.

O primeiro clássico Atletiba realizado no Durival Britto ocorreu em um amistoso, em 1947, ano de inauguração do estádio. O Furacão venceu a partida por 4 x 1. O último teve vitória coxa-branca por 3 x 1, válido pela IV Taça Cidade de Curitiba, em 1977.

Jogo histórico

O Atletiba mais emblemático disputado na Vila Capanema foi a final do Estadual de 1968. A dupla vivia um longo jejum de títulos, sendo o último do Furacão conquistado em 1958 e no Coxa em 1960. Em campo, havia presença de grandes nomes. Pelo lado rubro-negro, destacava-se o zagueiro Bellini, campeão mundial com a Seleção Brasileira em 1958 e 1962. No Alviverde, Dirceu Krüger, que iniciava sua trajetória no Coritiba – e anos depois foi eleito um dos maiores nomes de toda história do clube.

No entanto, como conta o pesquisador Guilherme Straube, do Grupo Helênicos, a estrela do jogo acabou sendo um atacante que passou boa parte da final “esquecido” na reserva do Coxa. Depois de ser mandado para o aquecimento ainda na etapa inicial, Paulo Vecchio viu a chegada do intervalo de jogo, viu o Atlético abrir o marcador aos 16 minutos do 2.º tempo, com Zé Roberto, mas nada de ouvir o chamado do técnico Nestor Alves pra entra em campo. Imaginou ter sido esquecido. “Estava arrumando a bolsa esportiva pra ir embora, quando o massagista disse: estão te chamando”, contou Straube. Paulo Vecchio entrou e, no minuto final de jogo, marcou o gol de empate por 1 x 1, que deu o título estadual ao Coxa na Vila Capanema.