O revés no Paranaense decretou uma mudança drástica nos planos do Coritiba. A diretoria decidiu ouvir “a voz das arquibancadas” e anunciou ontem a demissão do técnico Dado Cavalcanti. A passagem de Dado pelo Alto da Glória durou exatos onze jogos. Foram seis vitórias, três empates e duas derrotas.

Apesar de números razoáveis, pesou contra o treinador o fato de o Coritiba não ter conseguido, em momento algum, apresentar um futebol equilibrado e confiável. A eliminação para o modesto Maringá, com uma folha salarial infinitamente inferior, cobrou seu preço. Além de Dado, também deixaram o clube o auxiliar Wilton Bezerra e o preparador físico Fred Pozzebon. Interinamente, o Coxa terá o comando de Edison Borges e Tcheco.

É provável que ainda esta semana a diretoria anuncie o novo técnico. O clube, porém, tem um tempo razoável para definir essa questão, já que o time só volta a campo no dia 16, frente ao Cene, no jogo de volta da Copa do Brasil. Vágner Mancini segue no topo da lista de preferências. Sem clube desde que deixou o Atlético, o treinador está em Ribeirão Preto e já teria sido contatado, na semana passada, por um representante do Coritiba, apesar das negativas da diretoria alviverde.

Dinheiro

O impasse estaria apenas na questão financeira. Outro nome especulado é o de Guto Ferreira. Nas últimas temporadas, o treinador apresentou um trabalho consistente em três clubes paulistas – Mogi Mirim, Ponte Preta e Portuguesa – e está desempregado desde que se desligou da Lusa, ainda no início do Paulistão. Além de um novo técnico, a diretoria também terá que “arregaçar as mangas” e trabalhar forte na reformulação do grupo para a disputa da Série A, que começa dentro de 18 dias.