A matéria enviada anteriormente contém um erro no título. Segue a versão corrigida:

O atletismo sofreu uma baixa de peso para a Olimpíada do Rio. A australiana Sally Pearson não vai defender o seu título olímpico dos 100 metros com barreiras depois de sofrer uma lesão muscular na coxa, em mais um revés no seu ano, assolado por lesões.

Pearson, medalhista de ouro dos 100m com barreiras em Londres e prata nos Jogos de Pequim em 2008, disse que a extensão da lesão a impedirá de se recuperar a tempo de participar dos Jogos do Rio, marcado para o período entre 5 e 21 de agosto.

“Estou desapontada, estou destruída”, disse, em entrevista ao Channel Nine, canal de TV australiano. “É o maior evento esportivo do mundo que estou perdendo. Eu não posso participar dele, e é perturbador”.

Pearson, de 29 anos, perdeu 12 meses de competição depois de fraturar o pulso, e queixou-se no início do mês que sua preparação foi prejudicada por um incômodo muscular.

Ela só voltou às competições no dia 5 de junho, um ano e um dia depois de bater em um obstáculo na etapa de Roma da Diamond League e precisar passar por uma cirurgia. Pearson então participou de três competições na Europa antes de voltar para Austrália com a intenção de trabalhar em sua velocidade, desistindo de uma competição em Estocolmo.

Em 18 de junho, Pearson publicou uma atualização da sua condição em física em seu site, escrevendo que chegou em Birmingham “cheia de esperança e entusiasmo”, mas que ficou desapontada com o seu tempo “e também decepcionada que meu corpo estava me deixando para baixo”.

“Este tem sido um grande ano, ossos quebrados, panturrilha rompida, tendão de Aquiles degenerado, problemas musculares e tudo isso só comigo. Às vezes me pergunto por que ainda continuo a fazer este esporte”.

Pearson tinha uma proteção na coxa esquerda quando correu em Birmingham, e ficou em um modesto sétimo lugar, com o tempo de 13s25, quase 1 segundo mais lento do que a sua melhor marca pessoal, o que a deixou decepcionada.

Mas na semana que antecedeu a lesão sofrida no treinamento da última segunda-feira, a campeã mundial de 2011 disse que se sentia em sua melhor forma em um ano, e estava pronta para superar todos os contratempos. “Infelizmente na segunda-feira, meu corpo simplesmente não concordou comigo neste momento”, disse.

Pearson afirmou que ela não poderia ignorar a lesão e competir no Rio sob o risco de agravá-la. “Se eu forçasse muito cedo, poderia agravar a lesão e torná-la cem vezes pior, talvez não podendo mais voltar (a competir)”, disse. “Eu poderia ir aos Jogos Olímpicos e ainda competir. Mas eu vou lá para dar 100% de esforço e eu não seria capaz de me esforçar como gostaria”.

Fora da Olimpíada, Pearson planeja tirar um período de descanso, mas quer voltar a competir a tempo de participar dos Jogos da Commonwealth de 2018, em Gold Coast, na Austrália.