Em audiência nesta terça-feira em Brasília, a CPI do Futebol, liderada pelo senador Romário (PSB-RJ), vai solicitar que a CBF, comandada pelo presidente Marco Polo del Nero, apresente nos próximos dias todos os contratos referentes aos amistosos da seleção brasileira realizados desde 2002, após a conquista do pentacampeonato mundial.

O requerimento à CBF será feito ainda nesta terça pelo senador Romero Jucá, que também comanda a CPI que investiga a corrupção no futebol brasileiro. A Comissão Parlamentar de Inquérito investiga os acordos comerciais entre a CBF e as empresas ISE e a Plausus, responsáveis pelos jogos da seleção desde a temporada 2006.

Todas a empresas envolvidas com a entidade serão investigadas na hora certa, se assim entender a comissão parlamentar. Em maio deste ano, o jornal O Estado de S.Paulo revelou acordos entre a CBF e essas empresas. De acordo com a reportagem, a entidade de Marco Polo del Nero, antes comandada por José Maria Marin, preso na Suíçaa, e Ricardo Teixeira, investigado pelo FBI, “vendeu” a seleção a parceiras, com lucros exorbitantes para seus agentes.

Essas reportagens foram assinadas pelo jornalista Jamil Chade, que participa de audiência no senado nesta terça, acompanhado de outros profissionais da imprensa que acompanham as atividades da CBF. Os membros das CPI do Futebol querem se debruçar sobre os documentos fornecidos pelos jornalistas. O senador Jucá também vai pedir todos os valores que envolveram essas partidas amistosas, como cotas e bilheterias.