Sem maiores delongas, vamos às notas do Atletiba que fez do Athletico tricampeão paranaense.

Athletico

Santos: Decisivo em duas defesas dificílimas. Mostrou ser o melhor jogador em atividade no futebol paranaense – 8.

Adriano: Surpreendentemente nervoso, cometeu um pênalti infantil no primeiro tempo e acabou cansando – 4,5. Khellven entrou, fez um golaço e encaminhou o título – 7,5.

Lucas Halter: Teve uma atuação tranquila e discreta – 6.

Thiago Heleno: Embora mais exigido que o companheiro, também correspondeu – 6.

Abner: Teve outra atuação segura. Vai se afirmando no setor – 6,5.

Wellington: Mais nervoso que o habitual, passou perto de ser expulso no primeiro tempo – 5,5.

Léo Cittadini: Desta vez não teve espaço o jogo inteiro. Bem marcado – 5.

Marquinhos Gabriel: Outra atuação apagada. Uma grande dúvida para o Brasileirão – 5.

Nikão: Continuou muito marcado, mas fez o golaço do título – 7.

Carlos Eduardo: Participou mais do jogo no primeiro tempo, mas ainda está abaixo do esperado – 5,5. Vitinho entrou e pouco participou – 5,5.

Guilherme Bissoli: Nitidamente sem condições ideais de jogo – 5. Pedrinho entrou, enfim, e deixou Wellington na cara do gol. Tem que ser mais utilizado – 6,5.

Dorival Júnior: Teve um trabalho burocrático, mas foi o campeão – 6,5.

Coritiba

Alex Muralha: Há quem ache que falhou no segundo gol, mas eu não. Atuação discreta – 6.

Patrick Vieira: É boa opção nas bolas paradas, mas sofre na marcação – 5.

Sabino: O melhor jogador do Coritiba nas finais. De novo muito bem – 7,5.

Rhodolfo: Teve dificuldades na saída de bola. Na marcação, foi seguro – 6,5.

William Matheus: Discreto, não ofereceu opção de jogo pela esquerda – 5.

Nathan Silva: Mais uma vez deixou a desejar. Cometeu pênalti não marcado – 4,5.

Matheus Galdezani: Jogou sozinho no meio-campo. É hoje titular absoluto – 7.

Gabriel: Apesar da chance que parou em Santos, mais uma vez apagado – 5.

Rafinha: Ficou apenas 25 minutos em campo – sem nota. Thiago Lopes entrou em seu lugar e não teve boa atuação – 5.

Robson: Correu e lutou muito, mas falhou nas finalizações – 6.

Igor Jesus: Não repetiu a atuação do primeiro Atletiba – 5,5. Wanderley o substituiu e ainda demonstrou falta de ritmo – 5.

Eduardo Barroca: Não quis correr riscos, mesmo precisando reverter a vantagem adversária. E ainda terminou o jogo com apenas duas alterações – 5.

+ Confira todos os posts do blog AQUI!


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?