Como numa partida, é o momento do contra-ataque. Para manter o calendário da volta do futebol, clubes e Federação Paranaense preparam uma ação coordenada nesta segunda-feira (15). O objetivo é convencer as autoridades de saúde de Curitiba, da Região Metropolitana e do governo estadual de que é possível manter os treinamentos. Os argumentos já estão preparados.

+ No podcast De Letra, uma viagem ao multiverso do nosso futebol!

Neste domingo (14), falei sobre o pandemônio causado pela decisão da prefeitura de Curitiba em ‘ativar’ o alerta laranja, suspendendo atividades não-essenciais e com isso parando com os clubes, desde os sociais até o Athletico, que treina na cidade. Apesar de ser apenas um clube atingido, o impacto é gigante, porque deixa a volta do futebol paranaense em suspense.

+ Maracanã 70 anos: 10 jogos marcantes dos nossos times no estádio

Coritiba e Paraná Clube, que começam esta segunda sem impeditivos para treinar em seus CTs em Colombo e Quatro Barras, sabem que um posicionamento de Curitiba faz diferença para a Região Metropolitana. Por isso, a estratégia é manter contatos com as secretarias de Saúde das duas cidades, reforçando o protocolo médico e garantindo que não haja mudança no entendimento.

Cumprindo o decreto

Não há no Athletico nenhum interesse em peitar a prefeitura. Já está decidido que o clube vai acatar a decisão das autoridades de saúde e os treinos estão neste momento suspensos. Mas jogadores, comissão técnica e funcionários irão passar por novos testes de covid-19, que já estavam marcados e não serão cancelados. Integrado ao lobby que defende a volta do futebol, o Furacão quer mostrar que está tudo certo e retomar os treinos assim que houver uma autorização.

(Atualização das 7h30: em entrevista à RPC, a secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak, disse que a prefeitura está aberta para conversar.)

E aí o plano é fazer a prefeitura de Curitiba compreender que os clubes profissionais são diferentes do que chamamos de ‘clubes sociais’. E por este caminho obter uma autorização para que o Athletico mantenha sua agenda – uma liberação que daria fôlego para os outros clubes negociarem com as prefeituras.

Pelo Estado

Há também uma forte expectativa sobre o que será dito pelo governo estadual. O aumento exponencial de casos é uma realidade não só em Curitiba – em Cascavel, por exemplo, a situação já está dramática por conta do alto índice de ocupação dos leitos de UTI. E a Federação Paranaense acompanha com atenção para tentar a defesa da volta do futebol.

+ Seis jogos que ajudam a explicar a história do Paraná

E aí haverá um apelo ‘humanitário’. Com um recuo nas medidas de isolamento social, é natural que o retorno do Campeonato Paranaense vá lá pra frente. Até porque os especialistas em infectologia preveem quatro semanas delicadas no combate ao coronavírus no Paraná. Contando que isso aconteça, o futebol só voltaria em agosto. O que pode inviabilizar alguns clubes.

Não será fácil

Os argumentos dos clubes e da FPF, somando à incoerência das autoridades, podem levar a uma manutenção dos treinamentos, com um cuidado redobrado – até porque há muita preocupação com excessos sociais da porta dos CTs para fora. Mas o alerta laranja de Curitiba e as manifestações preocupantes dos médicos deixam a volta do futebol na marca do pênalti.

+ Seis jogos que ajudam a explicar a história do Coritiba

A mensagem do médico curitibano Clóvis Arns, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia – que era a favor do retorno das competições -, é de ficar de cabelo em pé.

Se conseguirmos convencer a população a seguir as medidas de isolamento social, provavelmente, conseguiremos voltar a ter a epidemia ‘sob controle’ em 4 a 6 semanas.

É em cima desse panorama que os cartolas vão tentar contra-atacar.

Opinião

Os dirigentes estão no seu direito de defender a volta do futebol. Claro que a volta foi apressada, isso foi dito lá atrás. Só que tenho certeza que pelo menos os seis times mais estruturados do Estado (Athletico, Cascavel, Coritiba, Londrina, Operário e Paraná) podem realizar seus treinamentos com todos os cuidados necessários.

+ Seis jogos que ajudam a explicar a história do Athletico

Mas, repito, o problema está da porta para fora. A falta de conscientização de muita gente – inclusive ligada ao futebol – provocou um crescimento dramático de casos de covid-19 e de óbitos registrados.

Foi esse clima de férias que tomou conta do Paraná que alarmou as autoridades. Neste contexto, o futebol corre risco de não ser visto como solução, mas como parte do problema.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?


+ Confira todos os posts do blog AQUI!