Jorginho foi demitido do Coritiba após apenas 13 jogos. Deixo pra analisar o trabalho dele no final desse texto. O que o torcedor alviverde quer saber é o que vai acontecer a partir deste momento, após demissão e com apenas 20 jogos a serem jogadores para escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Por mais que a atual diretoria tenha mandato até o final do ano, a decisão que será tomada terá influência não só sobre a atual situação, mas sobre o futuro do clube.

+ Podcast De Letra fala dos jogadores que jogaram em Paraná, Coritiba e Athletico

A gestão do futebol do Coritiba nos últimos anos foi muito ruim. Os erros se sucederam. Mas o comando alviverde ganhou uma última chance. É tarde sim, é um momento quase de desespero, mas há uma última cartada a ser dada. E é preciso entender que um rebaixamento não representa apenas um fracasso técnico na temporada 2020. Mas pode significar um desastre financeiro sem proporções.

+ O último ato do treinador foi perder para o Ceará

E os cartolas do Coxa, que demoraram quase seis horas para decidir pela demissão de Jorginho, terão agora pouco tempo para escolher quem liderará o time até fevereiro do ano que vem. Será uma aposta do mercado, algum técnico emergente? Ou será um nome já consagrado, da turma mais jovem (como Lisca, Tiago Nunes e Roger Machado) ou dos medalhões (como Abel Braga)? Ainda serão contratados reforços? O presidente do Coritiba e seu G5 terão que responder rapidamente. Vale o futuro do clube e como os nomes deles serão incluídos na história alviverde.

Jorginho, o breve

Jorginho teve um trabalho péssimo no Coritiba nestes 13 jogos. Apequenou o time com uma forma medrosa de atuar, como se o time não tivesse nenhuma condição de enfrentar nenhum dos adversários do Campeonato Brasileiro. E o resultado foi uma sequência de maus resultados e atuações abaixo da crítica. O Coxa só jogou bem quando esteve completamente afastado do estilo do seu agora ex-treinador.

+ Confira todos os posts do blog AQUI!

Além de ter uma passagem ruim, Jorginho praticamente deixa a ‘terra arrasada‘ para seu sucessor. Uma equipe sem confiança, com jovens atletas praticamente descartados, reforços que não atuaram e a penúltima colocação no Brasileirão. O próximo técnico do Coritiba terá uma tarefa gigantesca pela frente.