E os reforços do Coritiba? Essa pergunta certamente foi feita bastante dentro do clube – talvez não tanto quanto fora. Antes da saída de Eduardo Barroca, já se tratava do assunto. Depois, com Jorginho, o questionamento era quase diário. O próprio treinador dizia esperar pelas contratações. Bem, elas vieram. Sarrafiore, Ramón Martínez, Hugo Moura, Ricardo Oliveira, Rodrigo Muniz, Mattheus Oliveira e Ezequiel Cerutti estão aí, aptos para jogar. Mas nem todos jogam.

+ Podcast De Letra escolhe os dez maiores personagens da história do Coritiba

Os sete nomes citados acima chegaram depois da vinda de Jorginho. Neílton e Jonathan tinham sido contratados pouco antes. São, então, nove jogadores que vieram para o Coxa após o choque de realidade que veio com o início terrível no Campeonato Brasileiro. É possível dizer que os reforços do Coritiba representaram um investimento acima do previsto para este 2020. Mas por que muitos deles não jogam?

Convicção ou teimosia?

O técnico Jorginho, repito, pediu reforços. O diretor Paulo Pelaipe veio com esse intuito (por sinal, melhoras pra ele, que tá internado com covid-19). Os jogadores chegaram. Alguns foram imediatamente para a equipe – os volantes Hugo e Martínez foram rapidamente escalados. O primeiro, inclusive, é titular absoluto. Rodrigo Muniz também, chegou na segunda-feira e na quarta estava jogando. Já outros parecem estar no final da fila.

Sarrafiore é o caso mais estranho entre os reforços do Coritiba. O clube correu para contratá-lo, conseguiu a liberação do Internacional, ele estreou às pressas, jogou meio tempo e sumiu. Parece estar no banco só pra completar a lista de 12 atletas. Neílton, se pelo menos joga, não tem sequência. Ou entra na fria, quando o Coxa está perdendo, ou é no final da partida. Ricardo Oliveira estreou por 50 minutos e depois jogou os últimos nove minutos na derrota para o Santos.

+ Confira todos os posts do blog AQUI!

E os reforços do Coritiba que vieram do exterior? Jorginho falava muito em Mattheus Oliveira, ressaltava a capacidade dele e como ele agregaria ao time. Por enquanto atuou por oito minutos. Já Ezequiel Cerutti teve a liberação na sexta-feira (16), foi relacionado, mas nem tchuns. Enquanto isso, o treinador mantém titulares e mesmo reservas de confiança. O clube teve muita pressa em contratar, mas agora o torcedor anda tendo é que exercitar a paciência.