Então vamos às avaliações de jogadores e técnico do Athletico na derrota por 3×1 para o Santos, neste domingo (16), na Vila Belmiro, no jogo que fechou a terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

Athletico

Santos: Não teve culpa nos gols. E ainda fez duas defesas dificílimas no segundo tempo – 6,5.

Jonathan: Acabou perdendo no duelo individual com Soteldo – 5. Khellven entrou e não conseguiu produzir – 5.

Thiago Heleno: Atuação bastante discreta, mas eficiente na marcação a Kaio Jorge – 6.

Lucas Halter: Uma atuação muito abaixo do normal. Falhou em dois gols do Santos – 4.

Abner: Sofreu com Marinho, mas acabou marcando o gol de honra do Athletico – 5,5.

Wellington: Um bom primeiro tempo, mas depois caiu fisicamente – 5,5.

Léo Cittadini: Foi quem mais produziu pelo Athletico, mas abaixo do que vinha rendendo – 6,5.

Marquinhos Gabriel: Outra vez apático. Já não há justificativa para a manutenção dele como titular – 4,5. Richard o substituiu e teve bom rendimento – 6.

Vitinho: Após a vitória sobre o Goiás, ficou mais visado. E foi muito marcado – 5,5. Pedrinho o substituiu e novamente mostrou que tem espaço – 6.

Nikão: Bastante abaixo do habitual. Claramente sentiu o desgaste físico – 5. Geuvânio entrou em seu lugar e rendeu bem – 6.

Vinícius Mingotti: A bola não chegou no atacante, problema que anda acontecendo com todos os centroavantes do Athletico – 5. Saiu no intervalo para a entrada de Carlos Eduardo, que também foi pouco acionado – 5,5.

Lucas Silvestre: Auxiliar e filho de Dorival Júnior, trabalhou de acordo com o ‘chefe’ – 6.

Santos

Soteldo e Marinho deram show. O venezuelano é liso, como diriam os cronistas antigos. Dribla com facilidade rara, e chamou meia defesa do Furacão para dançar. E Marinho é rápido e ótimo finalizador.

+ Confira todos os posts do blog AQUI!


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?