O País inteiro está falando da épica virada do Paraná Clube na Copa do Brasil. Em cinco minutos, o Tricolor marcou três gols, venceu o Bahia de Feira e levou a torcida ao delírio. Momentos como esse são especiais porque são raros. Tanto que poucos instantes antes de ‘remontada’ paranista, parte dos torcedores já tinha ido embora da Vila Capanema, e os que ficaram estavam cobrando jogadores e diretoria. E não se pode dizer que estava errado, porque era o retrato do momento.

+ Homenagem: As passagens de Valdir Espinosa pelo Trio de Ferro

E por ser tão especial, alguns jogos chegam rápido na memória. Partidas em que Athletico, Coritiba e Paraná Clube recuperaram resultados que pareciam perdidos. Nenhum deles com a dramaticidade da quarta-feira (27), mas também marcadas na história do Trio de Ferro. Lembro aqui algumas deste século:

Coritiba 3×2 Flamengo – Copa do Brasil 2001

O Coritiba de Ivo Wortmann tinha se classificado para as quartas de final da Copa do Brasil de 2001 com uma virada sobre o Goiás, jogo que marcou a mudança tática alviverde para o 3-5-2 com dois meias jogando nas alas, Juliano na direita e Fabinho na esquerda. Uma formação muito agressiva em casa, contando com Evair no ataque para comandar o time.

O relato do Jornal do Brasil sobre a virada alviverde. Foto: Reprodução/Biblioteca Nacional

Mas quem saiu na frente naquela noite de quarta-feira, 16 de maio, foi o Flamengo, com Rocha. O empate alviverde veio com Evair, desviando o cruzamento de Enílson. Mas logo depois Rocha fez outro e recolocou os cariocas na frente no Couto Pereira. A virada veio no segundo tempo. Mabília empatou depois do passe de Juliano. E aos 45 minutos, aproveitando a falha de Júlio César, Messias fez de cabeça. Na transmissão da rádio Clube, Luiz Augusto Xavier não se conteve: “Messias é o salvador!”.

+ No podcast De Letra, a seleção da década do futebol paranaense!

Athletico 4×2 São Caetano – Campeonato Brasileiro 2001

A virada mais importante da história do Athletico. Era 16 de dezembro de 2001, primeiro jogo da final do Campeonato Brasileiro. Do outro lado, o São Caetano, na época o time mais regular do País, indo para a sua segunda final seguida de Brasileirão. Quando a partida começou, parecia que seria tranquilo, pois Ilan abriu o placar com 4 minutos. Só que o Azulão tinha uma ótima equipe, e virou o jogo com Mancini e Marcos Paulo.

Ilan e Alex Mineiro deram show na virada do Furacão. Foto: Arquivo

Como reagir na sua primeira decisão na história? Atacando. Foi assim que o Furacão partiu para a virada. E claro que podemos resumir tudo isso em uma pessoa: Alex Mineiro. O 2×2 foi imediatamente depois do gol do São Caetano, o terceiro aos 31 minutos do segundo tempo e o quarto aos 47, de pênalti. Com três gols, Alex abriu o caminho do inédito título brasileiro do Athletico.

+ Já passou o Carnaval, mas ainda dá pra recordar os bailes do Trio de Ferro!

Athletico 5×4 América – Série B 2012

O Athletico até conseguiu uma virada durante o jogo, mas a vitória que veio no último lance não foi ‘oficialmente’ de virada. Mas foi um negócio maluco no Janguito Malucelli, numa escaldante tarde de sábado, 6 de outubro de 2012. Véspera de eleição e por isso todo mundo jogando no sabadão, só que o jogo do Furacão começou as duas da tarde! Coisas que só acontecem no futebol brasileiro.

Com seus atacantes em tarde inspirada, o América-MG saiu na frente com Alessandro, mas Elias empatou. Alessandro fez 2×1, e Marcelo Cirino deixou tudo igual de novo. O primeiro tempo terminou com 3×2 para o Coelho, gol de Fábio Júnior, aquele. A virada rubro-negra foi construída com Marcão e novamente Marcelo, mas Fábio Júnior fez 4×4. Quando parecia que o empate estava definido, Paulo Baier fez o gol da vitória. E Marcelo Ortiz teve uma das maiores narrações da história do rádio paranaense.

Belgrano 1×2 Coritiba – Copa Sul-Americana 2016

Virada no tempo normal e classificação nos pênaltis. Foi a jornada do Coritiba em Córdoba para chegar às quartas de final da Copa Sul-Americana. Após a derrota no Couto Pereira no jogo de ida, o Coxa foi para a Argentina como franco atirador. E saiu atrás no placar com o gol de bicicleta de Bieler. O time de Paulo César Carpegiani sofria, principalmente com Matias Suárez. Apesar das dificuldades, tinha conseguido o empate com Iago.

A capa da Tribuna de 29 de setembro de 2016. Foto: Reprodução

Mas uma alteração mudou o cenário do jogo. Vinícius foi substituído por Carlinhos, e Juan passou para o meio-campo. E foi no passe do lateral que Nery Bareiro virou a partida. O 2×1 levou a decisão para os pênaltis, e aí brilhou a estrela de Wilson, que defendeu duas cobranças e ainda marcou o dele. Foi a primeira classificação do Coritiba diante de uma equipe sul-americana.

+ Comentário: Por que as diretorias do Trio de Ferro não falam com os torcedores?

Athletico 5×4 Tubarão – Copa do Brasil 2018

Um jogo completamente maluco. Não há como não definir de outra forma essa virada do Athletico sobre o Tubarão em 21 de fevereiro de 2018. Um jogo bem com o jeito do Furacão naquela ‘era Fernando Diniz’. Havia uma expectativa de um massacre, o que não se confirmou na etapa inicial. Aí veio o insano segundo tempo. Bergson abriu o placar e depois a primeira virada do jogo, do Tubarão, com Matheus Barbosa e Batista. Em cinco minutos o Furacão virou, com Matheus Rossetto e Guilherme.

A capa da Tribuna de 22 de fevereiro de 2018. Foto: Reprodução

E não é que os catarinenses ficaram de novo na frente? Lucas Costa e Daniel Costa fizeram o Tubarão estar com 4×3 em plena Arena da Baixada. Nos acréscimos, outra virada, desta vez a definitiva. Thiago Heleno, escorando cruzamento de Nikão, empatou aos 45 minutos do segundo tempo. E Felipe Gedoz fez o gol da classificação aos 47 minutos.

Coritiba 2×3 Paraná – Série B 2019

A última virada marcante do Paraná Clube tinha sido na Série B do ano passado, no dia 8 de junho. Jogando o clássico no Couto Pereira diante do Coritiba, o Tricolor saiu atrás com o gol de Rodrigão. Com o estádio cheio, os donos da casa confiavam na vitória. João Pedro empatou ainda no primeiro tempo, mas Juan Alano acertou um belo chute e recolocou o Coxa na frente.

Jenison vai pra galera após o gol da virada. Foto: Hedeson Alves/Arquivo

Aí veio a virada tricolor. Primeiro no chute forte e colocado de Luiz Otávio, e logo depois no cruzamento preciso de Eder Sciola para a cabeçada de Jenison. Nos acréscimos, o lance mais dramático. Todo o Coritiba foi para a área, e no escanteio cobrado por Alano o goleiro Wilson acertou de cabeça e Thiago Rodrigues garantiu a vitória do Paraná.

E aí? Lembra de viradas mais antigas? Ou as recentes? Coloque nos comentários!

+ Confira todos os posts do blog AQUI!