Paulo César Carpegiani rebateu as críticas feitas pelo meia Rivaldo ao técnico após a derrota por 3 a 1 para o Avaí, na última quinta-feira à noite, em Florianópolis, onde o São Paulo acabou eliminado da Copa do Brasil. O treinador evitou fazer críticas contundentes ao pentacampeão do mundo, mas colocou em dúvida o caráter do jogador ao comentar o fato de o atleta ter se sentido “humilhado” e “desrespeitado” por ter ficado o tempo todo no banco de reserva diante do rival catarinense.

“Não posso colocar esparadrapo na boca das pessoas. Todo mundo tem um caráter e num momento adequado que a gente nota as pessoas”, afirmou o comandante são-paulino, que depois repetiu o discurso ao ser questionado sobre os motivos de não ter aproveitado Rivaldo contra o Avaí.

“Cada um falar o que quer, eu não privo ninguém de falar nada. O Rivaldo faz parte do elenco e é opção minha escalar ou não. Mas é em um momento como esse que conhecemos o caráter das pessoas”, reforçou Carpegiani, que disse respeitar a história vitoriosa do craque, apesar de seguir dando poucas chances ao veterano de 39 anos de mostrar o seu futebol.

“Ele (Rivaldo) não deve se sentir humilhado, já foi o melhor do mundo (eleito pela Fifa em 1999), é um grande jogador, eu respeito, mas não tenho muito que tecer comentários e falar desse tipo de situação”, opinou.

E, ao mesmo tempo que descartou usar a experiência de Rivaldo no confronto decisivo desta quinta-feira, Carpegiani enfatizou que o São Paulo “pagou o preço pela juventude” do time, que não soube administrar a pressão em Florianópolis. “É uma equipe jovem e nos propusemos a formar essa equipe. É um preço que a gente sempre vai pagar, mas futebol é uma renovação constante, não dá para fugir disso”, justificou.

O comandante ainda ressaltou que, para ele, o São Paulo foi eliminado no confronto de ida, no Morumbi, onde venceu por 1 a 0 em um duelo no qual perdeu várias oportunidades de ampliar o placar. “Não perdemos a classificação hoje. Perdemos no primeiro jogo. Pagamos um alto preço por isso. Pedimos desculpa para a nossa torcida”, completou.

Já em relação ao seu futuro no São Paulo, que ficou bastante comprometido após a eliminação desta quinta-feira, Carpegiani garantiu se sentir pronto para seguir no clube ao ser questionado, em entrevista coletiva, se teme ser demitido. “Não saberia te responder isso. Com relação ao meu lado profissional, eu me julgo competente para estar à frente do São Paulo”, assegurou.