Emerson deve voltar ao time
no lugar de Caio, lesionado.

Primeiro a cobrança, depois o “relax”. A comissão técnica alterou a rotina do grupo após a primeira derrota no Brasileirão. Cuca não “alisou” na reunião com os jogadores, antes do treino tático de ontem. O treinador focou sua cobrança no comportamento do time em Campinas, onde não houve a mesma coesão das primeiras rodadas e o resultado foi uma equipe dispersa em campo.

Após o treinamento, os jogadores relaxaram – deitados no gramado – ao som de Kenny G. O auxiliar-técnico Omar Feitosa aproveitou o momento para orientar os atletas no sentido de uma mentalização total visando o jogo frente ao Goiás, amanhã à noite (20h30), no Pinheirão. O “puxão de orelha” do treinador foi bem assimilado pelos jogadores. “Sabemos que não conseguimos repetir o futebol competitivo apresentado no clássico. Talvez, inconscientemente tenha havido um relaxamento. Isso não pode se repetir”, destacou o artilheiro Renaldo.

A conversa entre Cuca e jogadores teve somente meia hora de duração. Tempo suficiente para o treinador expor sua análise sobre o comportamento do time e aquilo que ele espera para as próximas partidas. Sem estrelas, o técnico sabe que a força do Paraná reside na união do grupo e na doação total dos atletas durante os noventa minutos. “Não faltou aplicação, mas aquele algo a mais que todo jogador tem dentro de si. Até para mudar um perfil tático que estava bem marcado pelo adversário”, disse Cuca.

Mais pegada com Emerson

O técnico Cuca poderá ter frustrada a sua intenção de repetir pela segunda vez a mesma equipe. Para o jogo de amanhã, às 20h30, frente ao Goiás, no Pinheirão, ele dificilmente contará com o meia-atacante Caio, lesionado. Como Waldir e Dauri decepcionaram em Campinas, o treinador testou uma formação mais coesa, com a volta de Émerson ao setor de meio-de-campo.

Recuperado da contusão na coxa-esquerda, o meia participou de todo o trabalho tático de ontem à tarde. Mesmo com a entrada de um jogador “pegador”, Cuca não quer perder o estilo agressivo de sua equipe. Fernandinho foi liberado para o ataque e Marquinhos terá o auxílio de Émerson na articulação do meio-de-campo. “O Émerson sabe criar e tem um bom chute de média distância”, disse Cuca.

O departamento médico vai avaliar Caio antes do treino desta tarde. Na última partida, ele teve cãimbras, mas este não foi o problema maior. O meia levou uma “pancada” na panturrilha esquerda e passou a terça-feira em tratamento intensivo. Mesmo assim, o médico Milton Nagai se mostrava pouco otimista quanto às possibilidades de recuperação do jogador.

A possível ausência de Caio pode trazer uma dificuldade para o time. Incisivo e driblador, ele tem sido peça-chave na articulação ofensiva do Paraná. No treino desta tarde Cuca deverá – caso o veto de Caio seja confirmado – confirmar o time com Émerson.

O jogador foi julgado ontem no Tribunal da CBF (devido à expulsão em Santos) e pegou somente uma partida de suspensão, já cumprida. Waldir, que também estava na pauta, pegou a mesma pena e está à disposição de Cuca, que hoje também anuncia os integrantes do banco de reservas, onde a presença do centroavante Flávio será a principal novidade.