Depois de ter a sua renovação de contrato confirmada pelo presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil, o técnico Cuca festejou nesta quinta-feira o fato de que assinou novo compromisso para dirigir o time até o final de 2014, assim como enalteceu a longevidade que vem conseguindo ter no cargo que assumiu em agosto de 2011.

“É motivo de muito orgulho para mim essa renovação. Ficar três anos em um clube grande como o Atlético é raro e a gente tem que comemorar mesmo. Tenho bons resultados aqui, mas é levado muito em conta também o trabalho e não apenas o resultado em campo. Às vezes, quando você passa por um momento ruim, como já passei aqui, tem a compreensão da torcida e da diretoria porque está sendo avaliado o dia a dia do nosso trabalho”, ressaltou Cuca, em entrevista coletiva na Cidade do Galo.

O treinador também explicou que vinha evitando falar de sua renovação de contrato nos últimos dias porque enxergava esta negociação como uma coisa secundária e de provável acordo a ser firmado em um momento no qual o Atlético vislumbra a disputa do Mundial de Clubes da Fifa, marcado para o próximo mês, no Marrocos.

“Sempre falei que a prioridade era não gastar nem tempo nem energia comigo porque a minha situação era muito fácil. Ontem (quinta-feira), o presidente se reuniu com meu representante e, ontem mesmo, renovou. Então, foi no primeiro papo que eles tiveram, sentaram e foi renovado o contrato. Fico e fico muito feliz”, destacou Cuca, para depois enfatizar: “Fico muito a gosto porque desde 2011 que estou aqui e a gente vem remontando, tentando sempre deixar o Atlético cada vez melhor e, agora, me dá mais vontade ainda de deixar melhor ainda para o ano que vem para que, dentro da responsabilidade grande que a gente tem, em cima de Libertadores, Recopa (Sul-Americana), Campeonato Brasileiro e, este ano, Mundial Interclubes”.

E o comandante destacou que é importante sempre estar buscando evolução na equipe e almejar maiores feitos na próxima temporada, independentemente de a equipe ter sucesso ou não no Mundial de Clubes. “Hoje, vejo o Atlético em um nível que não pode pensar em outra coisa que não seja disputar o bicampeonato da Libertadores, o título do Brasileiro, da Recopa. Não quer dizer que você vai ser (campeão), mas que você tem a obrigação de disputar esses títulos para ganhar. E, para isso, a gente tem que sempre melhorar o nosso nível de trabalho”, concluiu.