Anderson Tozato
Cuca: tivemos posse de bola, criamos oportunidades e conseguimos doze finalizações no Pacaembu.

Ao mesmo tempo em que se sentia chateado por mais uma derrota (a sétima no Campeonato Brasileiro), o técnico Cuca parecia não ter o que dizer. A derrota para o Corinthians na quarta deixou o comandante do Coritiba desarvorado, sem ânimo para tomar um posicionamento mais favorável aos jogadores. Foi outro jogo em que o time teve o controle da posse de bola, ficou muito tempo no campo do adversário e não conseguiu marcar um gol sequer. O objetivo do treinador é evitar que tal problema se repita de novo, desta vez na partida de domingo, às 18h10, contra a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli.

Ainda em São Paulo, antes da delegação alviverde seguir para Campinas, Cuca lamentou outra partida em que o Coxa poderia ter melhor sorte. ?Nós tivemos posse de bola, criamos oportunidades e conseguimos doze finalizações ao gol do Corinthians?, comenta o técnico do Cori. Até aí, tudo bem, mas a eficiência do setor ofensivo foi a mesma de sempre. ?Das doze oportunidades, somente quatro foram para o gol.

E o Corinthians teve cinco chances e marcou três.

O Bobô chutou duas bolas no gol e fez um?, resume.

Para Cuca, não há outra explicação. ?Precisamos urgentemente rever a qualidade técnica das nossas finalizações?, diz. Só que o técnico se preocupa com o fato de há pelo menos dois meses o Coritiba sofrer do mesmo mal, treinar incessantemente o fundamento todo dia e não acontecer nenhuma evolução visível. Apenas sete equipes têm piores ataques que o Coxa – São Caetano, Atlético, Brasiliense, São Paulo, Flamengo, Figueirense e Fortaleza. Atlético-MG e Paysandu, os lanternas do Brasileiro, marcaram um gol a mais que o Alviverde. ?Isolados? no interior paulista, os jogadores terão muito trabalho nos dias que antecedem o jogo contra a Macaca. ?Nós temos que treinar cada dia mais, para quem sabe mostrar alguma melhora contra a Ponte?, comenta Cuca.

Time

Marquinhos é mais um desfalque do Coritiba para a partida deste domingo. O armador, que voltou após cumprir suspensão automática por expulsão, levou o terceiro cartão amarelo contra o Corinthians e não enfrentará a Ponte Preta. Em contrapartida, Reginaldo Nascimento volta ao time, devendo ser escalado na posição de Alexandre Luz. Flávio, lesionado, continua fora.

Emperra a negociação de Rafinha

Já dizia aquela velha máxima: nunca diga nunca. Mas, até o momento, está desfeita a negociação da venda de Rafinha para o Schalke 04. Os alemães não cumpriram o prazo estipulado pelo Coritiba e, por isso, o presidente Giovani Gionédis encerrou – pelo menos temporariamente – as conversações com o vice-campeão da Alemanha. O jogador, portanto, fica (até segunda ordem) à disposição de Cuca para a partida de domingo contra a Ponte Preta.

Os dirigentes do Schalke 04 pediram ao Coxa um ?prolongamento? do prazo de pagamento de pelo menos uma parte dos cinco milhões de euros pedidos por Rafinha. Na segunda, Gionédis aceitou o adiamento do acerto para ontem. Mas até o final da noite na Alemanha (com cinco horas à frente no fuso horário) não houve nenhum contato com o Alviverde. ?Nem telefonema, nem fax, nem e-mail?, conta o presidente do Cori.

Assim, como ficou assegurado por Giovani Gionédis, o negócio estaria definitivamente encerrado, com Rafinha permanecendo no Alto da Glória. ?De parte do Coritiba, o Rafinha segue no clube, o que é ótimo para todos?, confirma o dirigente. No entanto, não será surpresa uma reabertura das conversas – envolvido com a disputa da Supercopa da Alemanha, o Schalke interrompeu todas as negociações, incluindo a do atacante Milan Baros, do Liverpool, e do lateral coxa.

Também voltam a se abrir possibilidades para outros clubes. Da Alemanha, Bayern de Munique, Wolfsburg e Borussia Dortmund estariam interessados em Rafinha, Além dos germânicos, Betis, Shakhtar Donetsk e um time francês podem voltar à briga pelo jogador do Coritiba.