Ageu volta ao time do Paraná.

O time já mostrou poder de reação em jogos anteriores. Mais uma vez, esta virtude da equipe de Cuca estará sendo testada. O Paraná Clube encara a Ponte Preta, às 17 horas, no Pinheirão, com o pensamento firme de assegurar a reabilitação no campeonato brasileiro e conseqüentemente a permanência nas primeiras colocações.

Como em casa o time vem ganhando, Cuca mantém a mesma formação. As variações testadas ao longo da semana podem até ser colocadas em prática, mas no decorrer da partida.

Cuidados existirão – Cuca ressaltou a qualidade ofensiva do adversário -, mas a prioridade do Paraná é o ataque. Tanto que o treinador optou pela manutenção de dois meias criativos e dois atacantes natos para este jogo. Neste clima, até o centroavante Renaldo voltou a promoter gols. “Não falei nada nas últimas partidas e passei em branco. Quero voltar a ter alegria e ajudar o time a vencer. E para isso, só tem um jeito: bola na rede”, disse o animado atacante.

Renaldo já fez três gols, assim como Marquinhos, mas já convive com um “jejum” de três jogos. Na competição, o tricolor já fez 12 gols, nove deles no Pinheirão. “A nossa média é excepcional e vamos lutar para não deixar o ritmo cair, apostando no apoio de nosso torcedor”, comentou Marquinhos. O meia deve ter maior liberdade no jogo de hoje, o que não aconteceu no clássico. “Liberdade, mas com responsabilidade, pois o meio-de-campo da Ponte é muito forte”, disse.

Sem mudar a diretriz de seu trabalho, Cuca deu ênfase ao longo da semana aos treinos táticos e ao ensaio de cobranças de faltas e escanteios. O Paraná ainda não fez um gol sequer de falta ou escanteio. Durante esses treinos, também procurou afastar o baixo astral que se instalou no clube após a derrota no clássico. “Gostei da reação do grupo, pois mostra que eles também ficaram inconformados com o resultado. Só que isso ficou lá pra trás. Neste sábado já temos que estar voando, concentrados”, disse.

Este foi o tema principal da preleção de Cuca, ontem à noite, na concentração. Além de cuidar do aspecto emocional da equipe, ele também voltou a enfatizar a parte tática, utilizando recursos audiovisuais para que o time mentatizasse o que deve executar nesta tarde. O esquema de jogo pode sofrer algumas variações, mas a estratégia básica é marcar pressão e encurralar a Ponte Preta. “Sem abrir mão do forte sentido de marcação, pois eles têm jogadores rápidos”, lembrou o capitão Ageu, que retorna ao time na posição de Sandro Blum após cumprir suspensão. Esta é a única mudança em relação à última jornada.

Dauri sai cuspindo fogo

Dispensado e inconformado. O atacante Dauri despediu-se ontem do Paraná e não economizou críticas aos dirigentes. Sobrou até para a comissão técnica. Contratado no início do ano para ser a referência do Tricolor no campeonato paranaense, o jogador de 29 anos fracassou, junto com o restante do time. O desempenho ruim foi fatal para que ele não “emplacasse” no time mesmo após a mudança no comando técnico.

Cuca até iniciou a preparação do time com Dauri no ataque, mas depois optou por Dennys. O atacante teve apenas uma chance – e foi mal – contra o Guarani. Há duas semanas, quando o processo de rescisão foi iniciado, Dauri foi para o departamento médico. “Não adiantava ficar treinando porque eu sabia que estava fora dos planos”, explicou.

Dauri abriu mão de muitas coisas e um valor foi fixado. “Só que quando fomos colocar tudo no papel, quiseram me impor uma nova redução”, explicou. “Faltou seriedade para estas pessoas, que deveriam tratar o atleta com maior respeito.” O assunto estava sendo tratado entre Dauri e o departamento financeiro do clube. “Sei que estou saindo porque não estava nos planos do treinador. Ele não fez nada para que eu ficasse no grupo”, cutucou.

Ponte deve ter força máxima

AE

Mesmo com tantos problemas desde o início do ano, com a saída de alguns jogadores, contusões graves de outros e perda de pontos no tribunal, a Ponte Preta ainda tem motivos para comemorar. Apesar de estar apenas na 21.ª posição na classificação do campeonato brasileiro, com seis pontos ganhos, o time enfrenta o Paraná hoje, às 17 horas, no estádio Pinheirão, com muita confiança em outro bom resultado.

Com apenas uma derrota nos últimos 13 jogos disputados na temporada, a Ponte terá força máxima no Paraná. O técnico Abel Braga terá à disposição o time que considera ideal, uma vez que o lateral-direito Mantena cumpriu suspensão e volta no lugar de Dênis. “Só perdemos para o Cruzeiro (3 a 0) no Mineirão, ou seja, perdemos para o melhor time do Brasil na atualidade”, afirmou o treinador.

A única dúvida de Abel está no ataque. Sérgio Alves deixou o treinamento de quinta-feira reclamando de um possível estiramento na perna direita. Como o exame não detectou nenhuma lesão, o jogador viajou com o restante do elenco e sua escalação, apesar de estar praticamente garantida, só será confirmada momentos antes do início do jogo contra o Paraná. Luizinho Vieira e Lucas ficam como opções no banco.