Foto: Valquir Aureliano/Tribuna

Atacante acatará determinação
da Justiça, mas só sai se for
bom para ele também.

Se a Justiça determinar, Dagoberto estende o vínculo com o Atlético. Mas nada o obriga a aceitar uma transferência enquanto vigorar o contrato, segundo seus procuradores. Posição que vislumbra nova disputa mais à frente, mesmo que os tribunais mantenham a decisão de prorrogar o contrato até março de 2008.

Um dos representantes do jogador, Naor Malaquias, confirmou ontem que o grupo irá se defender da ação promovida pelo Atlético na Justiça do Trabalho, que pede prolongamento do contrato. Para tanto, Dagoberto contratou o advogado Fernando Barrinuevo, que defendeu o Coritiba em vários casos e é ligado ao escritório do presidente coxa-branca, Giovani Gionédis.

Se a decisão final for favorável ao Atlético, Dagoberto cumpre o contrato até o novo prazo, mas não cederá às vontades do clube caso apareça um comprador. ?Se a proposta for boa, ele aceita. Não há nenhuma obrigação. A lei do passe acabou?, disse Naor. O Atlético entende de outra forma e afirma que, nesta hipótese, recorreria à Fifa para pedir indenização, já que perderia o jogador sem recompensa pela multa rescisória.

Naor aprovou o relato do advogado do Atlético, Marcos Malucelli, a respeito das negociações para renovação do contrato de Dagoberto. Negou apenas que tivesse pedido um milhão de euros de luvas. E confirmou que sua empresa exigiu que o clube mantivesse no contrato a multa rescisória de R$ 5,4 milhões no caso de uma transferência nacional. ?Era só uma garantia, para evitar o que aconteceu com o Robinho. Pelo alto valor da multa, ele abriu mão da porcentagem para seguir seu destino. Mas não pretendíamos usar essa multa?, justificou.

O procurador negou ainda ter oferecido o jogador ao Santos, conforme publicou a imprensa paulista. ?Visitamos o Santos, mas o negócio era com outro jogador?, disse. Ontem o técnico do clube, Vanderlei Luxemburgo, também desmentiu a informação e disse que ?as chances de Dagoberto (de ir para a Vila Belmiro) são zero?.

Furacão pronto pro Fortaleza

A guerra do caso Dagoberto ganhou as manchetes e ofuscou o que mais importa para a torcida atleticana: o time. Já na quarta-feira o Rubro-Negro retoma a rotina do Brasileirão, diante do Fortaleza, às 19h30, na Baixada, e com escalação praticamente definida.

Na manhã de ontem, Givanildo de Oliveira montou o mesmo time dos últimos treinos – com exceção, é claro, de Dagoberto, barrado por ordem da diretoria e substituído por Herrera. A equipe formou com Cléber, Jancarlos, Danilo, João Leonardo e Moreno; Erandir, Cristian, Evandro e Ferreira; Herrera e Pedro Oldoni. O técnico confirma assim a troca do sistema com três zagueiros – motivada mais pela saída dos titulares Paulo André (vendido ao Le Mans, da França) e Alex (suspenso) e pela falta de condições legais do recém-contratado César do que por opção própria. Na lateral-esquerda, Moreno ganhou a briga com Ivan e joga contra a equipe cearense.

Assim, o substituto de Alan Bahia passa a ser a única dúvida para a partida. Marcelo Silva, que ainda não estreou com a camisa rubro-negra, seria o preferido de Givanildo – o técnico já elogiou a personalidade do jogador e o considera apto para tornar-se líder em campo. Marcelo, porém, ainda recupera-se de uma lesão na coxa e ontem participou de parte do coletivo na equipe reserva. ?Não me importo de jogar como primeiro ou segundo volante. O importante é treinar bem para ganhar a confiança do treinador?, disse o jogador, que participou do jogo-treino contra o J. Malucelli, na semana passada.

Cristian, titular nos últimos treinos, deve ser escolhido por estar em melhores condições físicas. O jogador foi titular em boa parte do Brasileiro do ano passado, mas perdeu espaço no time com o retorno de Erandir – ele disputou apenas duas partidas no Brasileirão, ambas como substituto. Agora vê a chance de retomar a briga atuando como segundo volante, sua função predileta. ?Gosto mais porque tenho liberdade de sair com a bola. Mas aqui tem que matar um leão por dia, temos vários jogadores de qualidade no meio-campo?, falou. (CS)