Ainda não foi nesta segunda-feira que o técnico Diego Maradona definiu o seu futuro à frente da seleção argentina. O treinador se reuniu com Julio Grondona, presidente da Federação Argentina de Futebol (AFA, na sigla em espanhol), mas a decisão sobre a sua permanência ficou para terça, quando Grondona conversará com o comitê executivo da AFA.

A definição terá que acontecer obrigatoriamente nesta terça porque a Argentina já tem um amistoso marcado para o dia 11 de agosto, contra a Irlanda, em Dublin. Além da reunião de Grondona com o comitê executivo da AFA, composto pelos presidentes dos principais clubes do país, a data também marca o prazo final para a convocação visando o jogo amistoso.

Após a reunião de Maradona com Grondona, Ernesto Cherquis Bialo, porta-voz da AFA, afirmou ao canal de televisão TyC Sports que a conversa havia sido “cordial e profunda”. Cherquis Bialo também adiantou que o presidente da entidade argentina só explicará os detalhes da reunião com o treinador nesta terça, ao anunciar a sua permanência ou não.

Apesar de o porta-voz da AFA garantir o caráter “cordial” da conversa, havia um clima tenso para o encontro. Isso porque Maradona garantiu em sua chegada à Argentina, após sua visita a Caracas, onde encontrou com o amigo e presidente venezuelano Hugo Chávez, que só ficaria no cargo caso Grondona não exigisse mudanças em sua comissão técnica.

Na Copa do Mundo da África do Sul, Maradona liderou a Argentina até as quartas de final, onde o time caiu por 4 a 0 para a Alemanha. Por causa da derrota, boa parte da opinião pública do país vem pedindo a sua saída. Caso ele não permaneça no cargo, os possíveis substitutos são Alejandro Sabella, do Estudiantes, e Miguel Russo, do Racing.