A segunda derrota do Paraná Clube na Série B não sai da cabeça de todo grupo paranista. O revés no último minuto da partida contra o Ceará, por 2×1, sábado, no Castelão, em Fortaleza, expôs algumas deficiências do elenco comandado pelo técnico Claudinei Oliveira.

Há 28 dias no cargo, o treinador aguarda contratações pontuais para a equipe – e enquanto isto não acontece, alguns jovens vêm ganhando espaço em momentos complicados na temporada. E como em todo início de carreira, os garotos naturalmente atravessam períodos de transição. Em alguns jogos apresentam bom rendimento e nos outros passam por dificuldades.

Nos últimos dias, o meio-campista Marcos Serrato vivenciou esta situação. Gol em Recife diante do Santa Cruz, erro na penalidade contra a Ponte Preta e frente ao Ceará mostrou novamente um bom futebol. Quem agora sofre é o lateral-esquerdo Yan, formado também na base paranista. O jogador entrou na última partida e teve a infelicidade de estar envolvido no segundo gol cearense, ao marcar gol contra. No entanto, a arbitragem anotou o gol para Magno Alves, que saiu comemorando após a jogada.

“Às vezes, os garotos irão errar e também acertar porque vou colocá-los para jogar. Identificamos qualidade e se errarem, eu tenho que dar confiança para jogar de novo. A responsabilidade é totalmente minha e fiz isto no Santos e no Goiás. O Yan no vestiário pediu desculpas, e o erro faz parte do futebol. Jamais vou deixar de colocar um atleta pensando que eles irão errar. Neste curto período de clube, já são três atletas que estão tendo a oportunidade e acredito que podemos colocar outros garotos no grupo”, disse Claudinei Oliveira.

Restando seis jogos antes da parada para a Copa do Mundo, o Paraná atravessa o maior período sem vitórias em 2014. São cinco partidas sem vencer – e, consequentemente, o time perde espaço entre os melhores na tabela de classificação. Com quatro pontos somados e na 11ª colocação, a esperança em terminar este jejum são os jogos na Vila Capanema. Das partidas pré-Mundial, serão quatro em casa (Boa, Náutico, Ponte Preta e a Luverdense). “No futebol, temos que minimizar os erros e caprichar mais. Estamos criando as jogadas, mas no esporte não tem muita lógica. Nas partidas anteriores, tivemos uma boa produção e teremos que buscar em casa para subir na classificação”, finalizou o comandante tricolor.