A derrota para o Internacional por 2×1 precisa ser encarada com serenidade. Embora seja o terceiro jogo sem vitória em sequência (empate com o Vitória e derrota para o Cruzeiro, além do tropeço diante dos gaúchos), o Atlético tem suas virtudes. Em campo, a dedicação e a velocidade dos atletas são incompatíveis com os resultados obtidos. Essa voluntariedade do grupo Rubro-Negro chegou a impressionar o técnico rival Abel Braga.

Após a partida de sábado, Abelão rasgou elogios à equipe atleticana. Para ele, o Furacão foi o adversário mais difícil que o Inter encarou no Brasileirão, e um dos melhores de toda a temporada. “Se o Atlético mantiver essa pegada e parar com essas bobagens de trocar de técnico e mudar radicalmente as coisas, vai nos incomodar muito ainda nesta temporada”.

Um dos calcanhares de Aquiles da equipe é a criação. Em rara oportunidade de entrevista, a equipe Tribuna 98 pôde fazer duas indagações ao técnico Miguel Ángel após a partida. Por determinação da Fifa, o Atlético teve que ceder e mandar o treinador e o meia Marcos Guilherme para a coletiva de imprensa.

Quando questionado sobre a falta de criatividade, Ángel dissimulou. Fez o mesmo com questionamentos sobre o “caso Manoel”. Limitou-se a dizer que o time fez um bom primeiro tempo, mas que cedeu o resultado em falhas pontuais. Ironicamente em uma das respostas elogiou Marcos Guilherme, que tem carregado o time nas costas e marcou o gol atleticano.

O camisa 10, aliás, disse que não se sentiu tão sobrecarregado como em outras oportunidades, mas é visível que carece de um companheiro com mais criatividade.