Eliminado do Campeonato Paranaense e sem treinador, com a queda de Milton Mendes, o Paraná Clube pagou o preço por uma série de erros cometidos desde o começo da temporada. A Tribuna 98 selecionou os setes pecados que foram determinantes para esta nova queda do Tricolor.

1 – Muitas contratações

Com o objetivo de ter quantidade e não qualidade, o Paraná Clube contratou 19 jogadores. O goleiro João Ricardo, os laterais Murilo e Diogo Alemão e o meia Netinho não estrearam ainda.

2 – Apostas erradas

Mesmo tendo o entrosamento no Águia-PA, a dupla Danilo Galvão e Keno não obteve êxito no Tricolor. Keno ficou mais conhecido por dizer que tinha um estilo parecido com o de Neymar.

3 – As broncas de MM

O ex-treinador paranista nem sempre esteve com bom humor nos treinamentos. Pior para o atacante Paulinho, afastado do grupo por discutir com o técnico dois dias antes da estreia na Copa do Brasil.

4 – Salários atrasados

Com problemas financeiros, o clube atravessa uma crise de relacionamento com funcionários. Nos últimos dias, empregados do Boqueirão cruzaram os braços e os serviços de lavanderia, refeitório e segurança foram afetados.

5 – Concentra ou não?

Um dia antes do jogo que eliminou o Paraná diante do Atlético, o treino foi cancelado porque atletas estiveram reunidos com a direção. Ficou definido que não haveria concentração. Insatisfeito, Milton Mendes convenceu os líderes do elenco a concentrar. A decisão de domingo na Vila Capanema não estava na cabeça dos envolvidos.

6 – Gramado da Vila

O ano começou e o gramado da Vila já estava castigado. O atacante Giancarlo chegou a alfinetar a diretoria. “A diretoria está esperando a natureza agir”, disse o atacante.

7 – Crise na comissão técnica

Em menos de quinze dias, a comissão técnica do Paraná Clube teve duas baixas. O preparador físico Darlan Schneider e o preparador de goleiros Jonas Sampaio deixaram o clube.