Juntar o útil ao agradável. É assim que André Negrello, de 30 anos, comerciante de Curitiba, resume a sua escolha por ser goleiro de aluguel. Goleiro é, sem dúvida, a posição mais ingrata do futebol. É aquela que, na pelada com os amigos, ninguém gosta de ocupar. André, então, conseguiu juntar a sua paixão pela posição e pelo futebol para ganhar um dinheiro extra ao final do mês. Às vezes, ele precisa se desdobrar para fazer mais de uma partida por dia e atender o seu público que contrata seus serviços por um aplicativo de celular.

Na verdade, ele possui um negócio próprio em Curitiba. Das 8h às 18h, trabalha com estética veicular e polimento. Durante o dia, fica ligado no aplicativo de celular do Goleiro de Aluguel para concluir seu dia nas quadras e gramados da capital paranaense. Essa é a sua rotina de dois anos. Foi também uma forma de aliar diversão com uma renda extra ao final do mês.

André já conheceu diversos goleiros, como Weverton. Foto: Arquivo Pessoal
André já conheceu diversos goleiros, como Weverton. Foto: Arquivo Pessoal

“Já participo há mais ou menos dois anos. Descobri pelas redes sociais, acabei me interessando por gostar da posição de goleiro. Não foi a parte financeira que me atraiu, mas sim a possibilidade de estar jogando com frequência. Com certeza a renda extra é um diferencial a mais, ainda mais nessa época de dificuldades”, contou Negrello.

O goleiro chegou a ser recordista do aplicativo com a realização de 42 partidas no mesmo mês, ou seja, mais de um jogo disputado por dia. O valor pago por hora aos goleiros de aluguel é de R$ 30 por hora e a quantia aumenta de acordo com o tempo em campo. Neste mês em que bateu o recorde de jogos por mês, André Negrello conseguiu uma renda extra de aproximadamente R$ 1.500.

Junto com a paixão pelo futebol e pela posição, nesses dois anos ele fez muitos amigos e manteve uma clientela fiel. “A gente chega lá e é bem recebido. Quando tem uma boa atuação, fica tudo em casa. Fiz vários amigos desses jogos e eles sempre me chamam com exclusividade. Tem algumas turmas que eu estou há um ano”, disse.

Ser goleiro de aluguel ou não, seja na pelada ou em um jogo valendo três pontos, André Negrello lembrou da dificuldade que é ser goleiro. Segundo ele, é a posição mais ingrata no futebol e que tem mais facilidade de levar um jogador do céu ao inferno na mesma partida.

André conheceu também um dos seus ídolos: Wilson. Foto: Arquivo Pessoal
André conheceu também um dos seus ídolos: Wilson. Foto: Arquivo Pessoal

“Sem dúvidas é a posição mais ingrata. Ninguém nunca quer jogar no gol por essa dificuldade que encontra dentro da partida. Você pode ir do céu ao inferno. Você pode fazer um milagre, mas um erro basta para você ser crucificado. Isso os profissionais sofrem bastante. O atacante, por exemplo, pode errar mil gols, mas se o goleiro levar um frango ele fica marcado”, destacou Negrello.

Ser goleiro de aluguel foi uma opção para André ter o futebol presente na sua vida. A paixão pela posição veio desde criança, quando iniciou no futsal. No entanto, algumas lesões o impediram de seguir profissionalmente. Agora, por conta da sua profissão secundária, teve a chance de ver de perto grandes arqueiros que passaram pelo futebol paranaense, entre eles Wilson, que é o seu grande ídolo na posição.

“Não joguei profissionalmente. Comecei no futsal, no clube São Miguel. Tentei me profissionalizar, mas, ainda jovem, sofri com algumas lesões e isso foi me distanciando do profissional. Mas sempre joguei em clubes amadores e que disputam a suburbana”, concluiu.

André é um dos vários profissionais à disposição no aplicativo do Goleiro de Aluguel. Para contar com esses goleiros e evitar aquela discussão pré-pelada com os amigos, os interessados podem baixar o aplicativo e contar com o serviço. Mais informações pelo site www.goleirodealuguel.com.br.