Foto: Anderson Tozato/Tribuna
Gionédis assiste ao treino dos reservas ao lado de Estevam (centro), Barbosa e Hidalgo (atrás).

A derrota do Coritiba para o Náutico por 2 a 0, na última quarta-feira, provocou um terremoto no Alto da Glória. As vítimas foram o diretor de futebol Almir Zanchi, que entregou seu cargo, e cinco jogadores, afastados do elenco.

O risco de eliminação tanto na Copa do Brasil, quanto no Campeonato Paranaense, tornaram tensa a quinta-feira alviverde. No desembarque da delegação que foi a Recife, jogadores e dirigentes foram cobrados por lideranças da torcida Império Alviverde, que foram ao Aeroporto Afonso Pena para pedir mais raça aos atletas e reforços aos cartolas.

Enquanto isso, o presidente do Conselho de Administração do Coxa, Júlio Militão da Silva, criticava em entrevistas a emissoras de rádio (ele não atendeu aos telefonemas da reportagem da Tribuna) a política de contratações do clube. Militão questionou a qualidade dos jogadores que estariam negociando com o Coritiba, como o atacante Fábio Pinto, o meia Caíco e o lateral Michel, além do atacante Willian, que foi confirmado como novo reforço alviverde. ?No Santos, nem ao lado de Diego e Robinho ele conseguia fazer gols?, disparou o dirigente, que faz parte do grupo de oposição ao presidente Giovani Gionédis.

Demissão e afastamento

No início da tarde, Gionédis e a diretoria executiva do Coxa se fecharam em uma reunião no Couto Pereira. Depois de mais de três horas de conversa, a cúpula alviverde partiu rumo ao Centro de Treinamentos da Graciosa. Ao lado do supervisor de futebol Odivonsir Frega, do assessor da presidência José Hidalgo Neto e do secretário Luiz Henrique Barbosa Jorge, o ?Espeto?, Gionédis se reuniu com jogadores e comissão técnica antes de dar uma entrevista coletiva.

Para a imprensa, o presidente coxa-branca revelou quais as decisões que foram tomadas. A primeira delas foi a saída de Zanchi do comando do futebol. ?Ele pediu demissão do seu cargo e a diretoria aceitou, numa decisão unânime?, revelou Gionédis.

A seguir, veio a lista de atletas que serão afastados do elenco. ?A diretoria, em conjunto com a comissão técnica, resolveu afastar os jogadores Ludemar, Julinho, Júlio Madureira, Humberto e Rodrigo Batata?, disse o presidente.

Multa

Gionédis anunciou também que o meia Diogo será multado devido à expulsão na partida contra o Náutico. ?Decidimos aplicar ao jogador uma multa de 30% de seu salário, pela atitude incompatível naquela expulsão infantil, que prejudicou o Coritiba?, criticou.

Diretoria confirma Willian

Pelo menos uma boa notícia a torcida coxa-branca teve ontem. Em meio ao anúncio de dispensas, multa e demissão, foi confirmado mais um reforço para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro.

É o atacante Willian, revelado no Santos.

Willian faz parte da mesma geração santista que teve Diego e Robinho como grandes destaques.

Pelo Peixe, foi bicampeão brasileiro, em 2002 e 2004, mas nunca conseguiu o mesmo destaque dos companheiros mais famosos. Depois, passou pelo Ulsan Hyundai, da Coréia do Sul, pelo Internacional e pelo Boa Vista, de Portugal, antes de retornar ao Santos. No início do ano, ele chegou a ser emprestado à Ponte Preta, que não conseguiu inscrevê-lo a tempo para o Campeonato Paulista.

Paranaense de Rolândia, Willian Salles de Lima Souza tem 22 anos, 1,81m de altura e 72 kg. Ele será apresentado oficialmente hoje, no CT da Graciosa, e já começa a se preparar para a disputa da segunda divisão nacional. No Campeonato Paranaense, Willian não poderá atuar, já que as inscrições estão encerradas desde o final do primeiro turno.

Agora, a diretoria corre atrás de pelo menos mais quatro reforços: um lateral, um volante, um meia e um atacante.

Barca chegando

As mudanças no departamento de futebol do Coritiba não vão atrasar a montagem do elenco para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. É o que garante o presidente Giovani Gionédis, ao dizer que o clube busca reforços de peso para encarar o desafio de voltar à elite do futebol nacional.

?Serão jogadores que não precisam de avaliação, que vêm para serem titulares?, promete.

Por enquanto, Gionédis não revela com quais atletas o Coxa negocia. ?Vamos qualificar o time. Vão vir nomes interessantes. Não é o momento de divulgar, até porque estamos em fase de negociação?, diz o presidente, que dá uma dica de onde podem vir os novos contratados. ?O mercado europeu também pode nos propiciar alguns nomes?, revela.

Sobre o substituto de Almir Zanchi, Gionédis afirma que o nome ainda não está definido. ?Já estamos trabalhando a partir de hoje. Não temos pressa. Como não tínhamos a previsão da demissão do Almir e não esperávamos que isso acontecesse, ninguém foi procurar nomes e nem temos nomes ainda?, diz o presidente coxa-branca.

Mas Gionédis já tem em mente qual o perfil ideal do novo chefão do futebol alviverde. ?Tem que ser uma pessoa que entenda de futebol. Que seja ligado ao Coritiba.

No Coritiba tem esse diretor de futebol que não é diretor, é um coordenador de futebol.

Ele é remunerado, é um funcionário encarregado dessa função. É muito bem remunerado, inclusive?, finaliza.

Estevam muda por atacado

O time que enfrenta o J. Malucelli, no próximo domingo, deve ter várias novidades. O técnico Estevam Soares não escondeu seu descontentamento com o futebol apresentado diante do Náutico e deve mexer bastante na equipe.

Suspensos pelo terceiro amarelo, o meia Renan e o lateral-direito Wilton Goiano estão descartados. O zagueiro Marcelo Batatais, com uma torção no tornozelo, é dúvida. Assim, não está descartada uma mudança na formação tática, com a equipe voltando ao 4-4-2. Assim, o atacante Vinícius e o meia Pedro Ken podem largar como titulares.

Hoje, Estevam comanda um coletivo, quando deve testar alternativas. O técnico pode optar por uma time mais ofensiva, pois o Coxa tem obrigação de vencer por dois gols de diferença para avançar às semifinais do estadual.

Ontem chegaram ao CT os colombianos Hector Vidal (meia) e Julian Perez (centroavante), para um período de testes.

Pra resolver, torcida prega união de cartolas

Julio Tarnowski Jr

Um conjunto de fatores estão atrapalhando os bons ventos no Alto da Glória. Mas na avaliação de boa parte dos torcedores do Coritiba, o principal fator pelo mau momento do clube, que se arrasta desde o início da queda para a 2.ª divisão do Brasileirão, dia 1.º de outubro de 2005, após a derrota (3 a 2) para o rival Paraná Clube, é a falta de união dos cartolas.

?A briga interna entre os dirigentes está refletindo no time?, afirmou Cléber Ribas de Lima, torcedor do Coritiba que se mostra decepcionado com a campanha da equipe nesta temporada.

Para Giovana Reboli, a má administração do clube ?está influenciando no desempenho dos jogadores?. A torcedora diz que não dá para generalizar, ?mas os jogadores contratados até o momento não estão à altura da história do clube?. ?Tem muita gente que só pensa no dinheiro. Claro que ganhar dinheiro é bom, mas precisamos também de

mais amor à camisa?, diz de forma saudosista.

Na opinião de Sérgio Hishida, ?radicalizar neste momento não adiantaria nada?. ?Talvez outra direção pudesse mudar alguma coisa?. Porém o torcedor aponta dois fatores para que o Coritiba saia dessa barafunda: ?dar chances aos jogadores das categorias de base, e ter olheiros mais competentes?. ?Os jogadores que vieram não deram certo. A exceção fica para os dois goleiros Arthur e Kléber?, avalia Hishida.

Para Aiane Cristina Alves Cordeiro o momento é para se ?ter muita calma?. ?Sinto que o Gionédis (presidente do Coritiba) até tenta mostrar serviço, que tem amor pelo Coritiba. Mas parece que ele não está cercado de pessoas capacitadas?, afirmou a torcedora que foi contra a reeleição do dirigente para mais um mandato.

Em sua avaliação os ânimos dos cartolas e torcedores estão muito alterados. ?E isso não é nada bom para o futuro do time?. No ponto de vista de Aiane, ?o clube deve investir nos juniores, ?o Renan é um exemplo de um bom jogador formado nas categorias de base?. ?Ele não pode ficar no banco. Ainda tenho esperança que o time melhore?, diz confiante.