Melbourne, Austrália (AE) – Diego Hypólito fez história na madrugada de ontem, ao se tornar o primeiro campeão mundial da ginástica artística masculina do Brasil. Ele conquistou a inédita medalha de ouro na prova de solo, do campeonato disputado em Melbourne, na Austrália, com a nota 9,675 na final.

Depois de quase ficar fora da final, ao conseguir apenas a última das 8 vagas na etapa de classificação, Diego Hypólito deu show na disputa por medalhas. E superou o canadense Brandon O’Neill, que fez 9,625 e ficou com a prata, e o húngaro Robert Gal, bronze com nota 9,587.

"Foi mais do que eu esperava. Estou contente de uma maneira que não dá para imaginar. Chegar à final nas minhas condições já era difícil, ganhar o ouro então foi realmente demais", admitiu Diego, que tem 19 anos e é irmão mais novo de Daniele Hypólito, estrela da seleção feminina de ginástica.

Volta por cima

Diego Hypólito estava voltando a competir justamente no mundial, depois de ficar cerca de 6 meses se recuperando de contusão. Em abril, ele sofreu uma fratura na perna direita, o que lhe obrigou a fazer uma cirurgia para colocar dois pinos no local. Assim, teve apenas 3 semanas para se preparar para o campeonato na Austrália.

Por isso mesmo, Diego não teve uma grande performance na prova de classificação, na terça-feira, quando conseguiu a nota 9,300 e ficou com a última vaga na final. "Imagine, fiquei quase um ano sem competir e na minha volta a primeira competição é logo mundial, fiquei realmente muito tenso, pois não sabia o que poderia acontecer", revelou o ginasta.

Mas na final deste sábado foi tudo diferente. "Estava tranqüilo até demais", contou Diego. "Estou muito contente, mas acho que só terei noção do resultado quando chegar ao Brasil, mas sei que a partir de agora a ginástica masculina passa a se igualar à feminina em termos de conquista."

Com o inédito ouro de Diego, a ginástica masculina começa a conquistar o mesmo espaço que a feminina já alcançou no Brasil. "Mesmo antes da minha medalha a ginástica masculina já vinha conseguindo resultados importantes. Fomos, por exemplo, medalha de prata no último pan-americano, título que a ginástica feminina, apesar das muitas conquistas, não tinha", lembrou o campeão mundial.

Mais ouro?

Depois do feito de Diego Hypólito, o Brasil pode fechar o mundial da Austrália com outro título. Daiane dos Santos tenta, na madrugada de hoje, ser bicampeã mundial do solo. Ela fez a melhor nota na prova de classificação e é favorita para repetir a conquista do último campeonato, em 2003.