Restam apenas oito jogos em casa nesta Série B. Destes, cinco são confrontos diretos com equipes que, assim como o Paraná, lutam contra a degola. O Tricolor jogará na Vila Capanema contra Marília, América-RN, Criciúma, CRB e Brasiliense, isso sem contar o duelo com o São Caetano, que também corre risco de cair para o grupo de baixo da tabela. Em especial nesses confrontos, o apoio do torcedor pode ser o diferencial pró Paraná.

“Não temos do que nos queixar. Quem está vindo, está apoiando”, disse o goleiro Mauro, que fez apenas um jogo no Durival Britto com a camisa paranista. A diretoria espera um público significativo no jogo de hoje, bem superior à média atual do Tricolor nesta Série B.

Com 4.824 pagantes/jogo, o clube paranaense ocupa a nona colocação no quesito média de público. “Fizemos um grande esforço para reformular esse grupo. Agora o apoio da torcida será decisivo para a gente deslanchar na competição”, afirma o diretor de futebol Paulo Welter.

Hoje, o Paraná faz seu 12.º jogo em casa nesta Série B, mas apenas o 4.º num sábado à tarde. Todos os outros jogos foram em meios de semana, à noite. O melhor público ocorreu no jogo contra o Corinthians (15.563) e o pior desempenho do clube nas bilheterias foi contra o Santo André (2.029).

Precisamos do torcedor junto com a gente. O grupo está focado, ciente da dificuldade e da responsabilidade. Em casa, temos que fazer a diferença e para isso esse incentivo será decisivo”, afirmou o capitão Agenor.