Os jogadores correram muito, lutaram como nunca, comemoraram bastante o resultado, mas fizeram isto para eles e para a torcida do Paraná Clube. Afinal, nenhum dirigente tricolor esteve em Ipatinga acompanhando a delegação na vitória de ontem em Minas Gerais. Questionado sobre o assunto, o goleiro Juninho foi irônico.

“É feriado, né? Mas tem que perguntar para eles por que eles não vieram”, atirou. A “patente mais alta” no interior mineiro era o supervisor Rafael Zucon. Segundo informações, o diretor César Augusto de Mello teve problemas familiares e não conseguiu viajar.

Apesar da “orfandade”, os jogadores festejaram o início vitorioso do returno. “Nós conversamos ontem (segunda) que este é um novo campeonato. E que se tivéssemos o início semelhante ao do primeiro turno, certamente voltaríamos a lutar pelo G4”, explicou Juninho. “Nós precisávamos arrancar assim para brigar pelas posições no topo da tabela”, completou Anderson Aquino.

Para o zagueiro Tiago, que fez apenas seu segundo jogo como titular, é hora de embalar. “Começar assim é bom. Agora, precisamos manter o ritmo nos próximos jogos”, afirmou o jogador, que fez um apelo para a torcida. “O Paraná Clube é grande, é time de história. Precisamos lotar a Vila na sexta e buscar essa vitória, atropelar a Ponte”, finalizou.

Lesões

Apesar da preocupação durante a partida, Rodrigo Pimpão e Irineu não devem ser dúvidas para o confronto de sexta com a Macaca. Pimpão, que deixou o Ipatingão chorando, passa hoje por uma ressonância magnética, mas deve encarar a Ponte. “Na primeira avaliação, foi uma lesão muscular leve. Não deve preocupar”, comentou o médico Jorge Albino.