O vice de futebol Aramis Tissot disse que a ausência de dirigentes em Ipatinga foi “caso pensado”. Certo ou errado, entende que o mais importante foram os três pontos conquistados.

A viagem para o interior mineiro foi a décima do Paraná Clube nesta Série B. Pela primeira vez, a delegação não contava com um dos integrantes da cúpula do futebol. O fato gerou polêmica e críticas. “Decidi que era o momento de deixar os jogadores sozinhos, para resolver suas diferenças”, justificou Tissot.

O vice de futebol revelou que a “estratégia” começou a ser amadurecida em Bragança Paulista, após uma conversa com o goleiro Juninho. “Lá, o Juninho me disse que algumas medidas tomadas, como um ou outro eventual aumento no bicho, não estavam refletindo positivamente dentro de campo”, disse Tissot.

Depois dessa conversa, o dirigente nem foi à preleção daquele jogo. “Aí, fiquei encucado com algumas coisas”, recordou. Após a derrota por 1×0 para o Bragantino, o capitão Luís Henrique disse que não dava mais para ser “amiguinho”.

Foi além de afirmou que era a “hora de ir pra porrada, pro esporro” para fazer o grupo reagir. “Diante desses fatos, achei que seria bom deixar os jogadores sozinhos nessa viagem. Sem a presença de um diretor”, justificou. Para Ipatinga, a delegação foi chefiada pelo supervisor de futebol Rafael Zucon.

“Não sei se houve alguma conversa diferente entre os jogadores ou não. Mas a verdade é que vi um time mais ligado em campo. O bom de tudo isso é que vencemos, superamos um momento difícil, onde o foco de todos parecia estar em possíveis transações”.

Aramis Tissot acredita que a vitória no interior mineiro pode representar o primeiro passo na retomada do time, ainda mirando o G4. “Acho que a tormenta já passou. Empresários não irão mais nos atrapalhar e agora o grupo está novamente fechado”, disparou Tissot, acreditando que o clube não será mais alvo das especulações.

“Quem tinha que sair já saiu. Agora, vamos tentar repetir aquilo que fizemos no início da competição”, disse. “E se os jogadores me garantirem que vão vencer todas fora, não viajo mais”, desafiou.