O clima ficou tenso no Parque São Jorge, ontem, no principal treino da semana antes do jogo contra o Vitória, amanhã, às 18 horas, no Pacaembu. O lateral Kléber se desentendeu com o volante Fabrício e o técnico Geninho foi obrigado a interromper o coletivo.

Kléber gritou com o companheiro depois que Fabrício errou três passes seguidos. A cobrança chamou a atenção até de quem estava do lado de fora do campo. Mas aparentemente o episódio foi bem administrado pelo treinador. Geninho aproximou-se e pediu calma ao lateral. Mais tarde, ele explicou que não proibiu as cobranças entre os atletas. “A cobrança deve haver, sempre. Só não gosto daqueles gritos longos. Eu mesmo, quando tenho de cobrar algum jogador, deixo a jogada passar, chego perto dele e falo o que tenho para falar. Quero as cobranças, mas não com berros. Não tem necessidade disso.”

Kléber disse ainda que não está pensando em assumir a condição de líder, aberta desde a lesão no joelho de Vampeta. “Nunca tive a pretensão de assumir a vaga deixada pelo Vampeta. Acho que todo mundo deve fazer esse papel. Só não estou disposto a perder esse brasileiro.”

Fabrício não foi ouvido porque além de Kléber, somente Gil, Jorge Wagner, Lucas e o técnico Geninho deram entrevistas ontem.

Quanto ao adversário, a maior preocupação dos corintianos é a irregularidade da equipe baiana. “É difícil enfrentar um time que goleia o Palmeiras por 7 a 2 em pleno Parque Antártica, perde em casa para o mesmo Palmeiras por 3 a 1 e depois quebra a invencibilidade de 36 jogos do Cruzeiro”, disse Geninho.