A velha ?autofagia paranaense? pode tirar Curitiba do mapa da Copa do Mundo de 2014. Hoje, no Rio de Janeiro, a candidatura da capital do Paraná será apresentada aos inspetores da Fifa. Credenciais para abrigar o Mundial não faltam à cidade. Mas uma disputa de interesses, egos e vaidades pode afastar daqui o maior evento do planeta.

Na manhã de hoje, em um hotel do Rio de Janeiro, representantes do governo do Estado, Prefeitura e do Atlético Paranaense vão tentar convencer os enviados da Fifa que Curitiba tem todas as condições necessárias para ser uma das sedes da Copa. Uma tarefa que não seria tão difícil se o Estado estivesse unido na busca pelo objetivo.

Favorito?

Levando em conta apenas os aspectos técnicos, Curitiba se garantiria facilmente entre as 10 ou 12 cidades que vão receber o Mundial. Segurança, transportes, serviços médicos, rede hoteleira meio ambiente são as principais preocupações da Fifa. Quesitos em que a capital paranaense está claramente à frente de algumas concorrentes.

A cidade também conta com o estádio mais próximo das exigências da Fifa. Entre todas as praças apontadas pela CBF como possíveis palcos da Copa, a Arena da Baixada é certamente a que necessita de menos investimento para se adequar às normas. Afinal, já está parcialmente construída, dentro dos padrões internacionais. O projeto de conclusão está pronto e será executado com investimentos privados.

Ou azarão?

Ao contrário de outras cidades, que mobilizaram todas as esferas governamentais, associações comerciais, federações de indústrias, aqui, o Atlético está brigando quase sozinho, com tímido apoio da prefeitura. Sediar o Mundial passou a ser uma causa praticamente exclusiva dos atleticanos e seu presidente, Mário Celso Petraglia.

Desde que a idéia de construir um novo Pinheirão naufragou, a candidatura de Curitiba foi abandonada pela Federação Paranaense de Futebol (FPF) e quase esquecida pelo governo do Estado. Paraná Clube e Coritiba, que apoiavam o Pinheirão, também não fazem a menor questão de ver uma Copa na Baixada.

Tanta divisão enfraqueceu Curitiba na disputa com as outras capitais. A cidade, que em abril chegou a ser apontada como uma sede certa pelo ministro do Esporte, Orlando Silva, agora corre o risco de ser deixada de lado.

Rivais

Das 18 cidades que tiveram a candidatura recebida pela CBF, cinco já estariam garantidas, caso o Mundial seja mesmo confirmado no Brasil: Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre e Belo Horizonte. Esses locais serão vistoriados in loco pelos inspetores da Fifa, enquanto as outras 13 fazem campanha em um hotel do Rio.

Curitiba estaria atualmente num segundo grupo, concorrendo com Salvador, Fortaleza, Manaus, Belém, Goiânia e Florianópolis.