Novak Djokovic conquistou vaga na decisão do ATP Finals com autoridade neste sábado. Em apenas 66 minutos, o sérvio arrasou o japonês Kei Nishikori por duplo 6 a 1, na O2 Arena, em Londres, para se garantir na disputa do título da competição que reúne os melhores tenistas da temporada. Mais do que isso, ele buscará neste domingo o pentacampeonato do torneio, após quatro conquistas seguidas na capital inglesa, assim como a taça lhe valerá o retorno ao topo do ranking mundial.

A decisão deste domingo começará às 16 horas (de Brasília) e será diante de Andy Murray, que pela primeira vez jogará uma partida que valerá o título do ATP Finals. Líder do ranking, o britânico precisa vencer para se manter no topo e terminar a temporada como número 1 do mundo.

O ineditismo, por sinal, será a marca desta final, pois pela primeira vez na história o último jogo da temporada definirá o número 1 do mundo ao término de uma temporada. Djokovic, por sua vez, jogará, na realidade, por um hexacampeonato, pois ganhou a competição que fecha o ano do tênis masculino também em 2008, quando pela última vez o torneio foi chamado de Masters Cup, antes de passar a ser conhecido como ATP Finals a partir de 2009.

Para disputar a decisão desta importante competição pelo quinto ano seguido, Djokovic não tomou conhecimento de Nishikori, o atual quinto colocado do ranking mundial. O sérvio aproveitou seis de 11 chances de quebrar o saque do japonês, que só converteu um de três break points, sendo que o vice-líder do ranking ganhou 82% dos pontos que disputou quando encaixou o seu primeiro serviço. Assim, não deu nenhuma chance para o japonês sonhar com uma vaga na final.

O jogo deste domingo será o 35º confronto entre Djokovic e Murray, sendo que o sérvio leva ampla vantagem no retrospecto, com 24 vitórias e 10 derrotas. Apenas neste ano, ele bateu o britânico por três vezes, sendo a última delas na decisão de Roland Garros. O escocês, porém, levou a melhor sobre o rival na final do Masters 1000 de Roma nesta temporada.