Artilheiro perdeu pênalti, mas marcou
os dois na vitória sobre o Vasco.

Nada como um dia após o outro. Amado por alguns e odiado por outros, mas nunca sem passar desapercebido em suas atuações pelo Atlético. Assim é o atacante Kléber, que após perder um pênalti logo no início da partida contra o Vasco, no sábado, se recuperou marcando dois gols, garantiu a vitória rubro-negra e se redimiu da chance desperdiçada. Mais do que isso, chegou aos 17 tentos anotados na temporada e deixou Liédson para trás no ranking dos artilheiros paranaenses.

“É bom marcar dois gols. Eu consegui isso com a ajuda dos meus companheiros e, independente de ter perdido o pênalti, eu vou estar ali dentro para pegar a bola e bater. O professor passou confiança pra mim e se ele precisar eu vou lá bater de novo”, analisou o atacante com a maior tranqüilidade.

A personalidade é tanta que, mesmo com vários pênaltis já desperdiçados pelo clube, ele não quer nem saber de deixar as cobranças. “Estou à disposição. Quem decide isso aí é o professor Espinosa (Valdyr, treinador) e até falei depois do jogo para o Petraglia (Mário Celso, presidente) que tinha um buraco na marca, tentei levar a bola mais para o lado mas o juiz não deixou. Mas, faz parte. Só perde quem está lá dentro”, amenizou. De acordo com ele, quando acontecer outra penalidade lá vai estar o jogador para tentar mais um gol.

Para Kléber, viver sempre entre o céu e o inferno já faz parte de sua vida como profissional de futebol. “Todo mundo está vivendo isso em qualquer situação que estiver. Eu procurei me ajudar, fiquei de cabeça fria e Deus me deu toda a força”, explicou. E a fase do artilheiro parece estar voltando aos seus melhores momentos, pois até gol de cabeça o maranhense fez contra o Vasco. “Independente de cabeça, de pé esquerdo, pé direito, o importante é mandar a bola para as redes e conseguir os três pontos”, apontou.

Além de Kléber, que é o líder entre os artilheiros que atuam no Paraná, Liédson (mesmo tendo ido para o Flamengo) é o segundo com 15 gols, seguido de Dagoberto (Atlético) e Jabá (ex-União e atual Coritiba) com 10.

O jogo

Os dois gols do artilheiro Kléber ajudaram o Atlético a manter o fator Caldeirão no Campeonato Brasileiro. Duas vitórias em duas partidas com o time quase completo e que dá ao torcedor a impressão de que o verdadeiro Furacão está de volta. Contra o Vasco, o Rubro-Negro voltou a mostrar um grande futebol e vai para Salvador tentar buscar mais três pontos, contra o Vitória, na quarta-feira.

A vitória poderia ter sido construída já aos 3 minutos de partida. Adriano sofreu pênalti que Kléber desperdiçou chutando na forquilha. Mesmo assim, o time não se abateu e foi para cima. O mesmo Kléber foi premiado aos 46 após uma boa tabela entre Fabiano e Dagoberto. No segundo tempo, o Vasco ameaçou quando Siston empatou a partida, mas o troco atleticano veio logo em seguida com o mesmo Kléber, que decretou o placar final do jogo.

Gustavo renova e time joga desfalcado quarta

O Atlético ganhou mais um reforço para o Campeonato Brasileiro. Após mais de 20 dias de negociações, treinamento em separado e de polêmica sobre seu salário, o zagueiro Gustavo acertou a permanência no clube por mais um ano e já deverá ficar à disposição do técnico Valdyr Espinosa para a partida de quarta-feira, contra o Vitória, em Salvador. Hoje, deverá ser a vez do volante Cocito definir a sua situação no clube.

“Eu estou muito feliz em permanecer no Atlético por mais uma temporada. Demorou um pouco, mas eu e a diretoria chegamos a um acordo. Agora é pensar em recuperar o ritmo de jogo e ajudar o Atlético no Campeonato Brasileiro”, afirmou Gustavo. O contrato do jogador havia encerrado no dia 30 de junho e a diretoria estava tentando manter o atleta pagando apenas o mesmo salário. Como Gustavo queria ser valorizado, o impasse foi criado e até uma saída não estava descartada. Mas,as partes cederam e chegaram a um acordo no sábado.

Já o volante Cocito poderá deixar hoje o Rubro-Negro. “Amanhã (hoje) define tudo. Ou para ficar ou para sair”, disse à Tribuna. Segundo ele, alguns clubes que estão disputando o Brasileirão estão interessados em seu futebol. “Eu já conversei com o Marcel Figger para ver o valor do empréstimo”, revelou. Apesar do presidente do clube, Mário Celso Petraglia, ter declarado que as conversas estão “nos finalmentes”, a situação parece não estar bem resolvida. “Não sei de nada. Não agüento mais treinar em separado”, desabafou.

Desfalques

A possibilidade de contar com Gustavo e até com Cocito deverá amenizar os problemas do treinador atleticano para a partida contra o Vitória. Além de Flávio, que continua sentindo dores da região lombar e que nem viaja para Salvador, Espinosa perdeu Preto, por contusão, e Kléberson, que irá defender a seleção brasileira. Sem os dois, Rodrigo, Fabrício e Cocito (se renovar) são as opções para o meio-campo. No gol, Adriano Basso continua como titular.